Carta aberta aos prefeitos eleitos – Concessões dos serviços de água e esgoto

Nos primeiros meses do ano, Meirelles e o BNDES surgiram com a ideia de “privatização” da Companhia Estadual de Águas e Esgoto do Rio de Janeiro – CEDAE e de outras.  Depois de dias no noticiário e manifestações de interesse das duas concessionárias privadas mais atuantes no Brasil, aquietaram-se.   Meirelles, o Contador, não sabe o que é um monopólio natural, ainda que as intenções possam ter sido boas em função do péssimo desempenho gerencial e econômico-financeiro da empresa.

Aos fatos!

Continuar lendo Carta aberta aos prefeitos eleitos – Concessões dos serviços de água e esgoto

Reuso de água na agricultura – Quando municípios pobres têm mais iniciativa do que os governo federal e estaduais

(os trechos sublinhados levam aos links)

Algum nível de equilíbrio nas contas do poder público é imprescindível, mas está longe de ser suficiente para recuperar a economia brasileira.  Da forma que estão sendo colocadas, as propostas mais parecem iniciativas de contadores, que buscam um encontro da “coluna da direita” com a “coluna da esquerda”, sem nenhuma iniciativa que cause impactos sobre a economia real, aquela que efetivamente move a produção, a geração de renda e a própria geração de receitas públicas.

São imensas as possibilidades e necessidades de dinamização da economia real, mas o Executivo – federal e na maioria dos estados, senão em sua totalidade – parece limitar-se às autoridades financeiras.

Continuar lendo Reuso de água na agricultura – Quando municípios pobres têm mais iniciativa do que os governo federal e estaduais

Aumentando a eficiência do setor elétrico brasileiro, enfim…. e ainda lentamente

Com o atraso que é peculiar ao setor público brasileiro, a ANEEL aprovou Resolução que permitirá a todos os consumidores – mesmo os residenciais – a deslocarem o seu consumo para fora dos horários de pico, quando a eletricidade é mais cara.

Continuar lendo Aumentando a eficiência do setor elétrico brasileiro, enfim…. e ainda lentamente

Avançam as minerações sem barragens e sem descarte de águas contaminadas

A passos lentos, o Brasil avança em direção a uma mineração sem barragens e com menos danos às águas superficiais e subterrâneas.  Uma das razões para isso é o compreensível temor do rompimento dessas barragens, um tanto imprevisíveis ou mesmo inevitáveis nesses tempos de mudanças de regimes de chuvas.  Outra razão é a crescente escassez de recursos hídricos.  E uma terceira é a rápida diminuição dos custos de tratamento de água.

Continuar lendo Avançam as minerações sem barragens e sem descarte de águas contaminadas

Tarifas de pico e fora do pico na energia elétrica – o Brasil avança ou a ANEEL coloca a mão no freio?

Sem sombra de dúvidas, a adoção da assim denominada “tarifa branca” pela ANEEL representa algum avanço, ainda que tardio, de implantação lenta, e sem especificações mínimas sobre que tipos de medidores de eletricidade serão adotados.

Além disso, de um modo geral, o populismo prevalece e tenta-se vender a iniciativa como de interesse apenas do consumidor, e não do conjunto do sistema elétrico, da nação (se esse conceito ainda existe no país) ou, em particular, das concessionárias (tal é a elevação das tarifas nos horários de pico).

Afinal, a arrecadação das geradoras e das concessionárias de distribuição aumentam, permanecem estáveis ou a ANEEL vende gato por lebre ao afirmar que os consumidores serão beneficiados (se deixarem para tomar seus banhos com chuveiro elétrico  ou usarem suas máquinas de lavar roupa depois das 10 da noite, apesar de terem que acordar às 5 da manhã)? Alô, alô, ANEEL, queremos os números, as planilhas, ainda que com estimativas.

Continuar lendo Tarifas de pico e fora do pico na energia elétrica – o Brasil avança ou a ANEEL coloca a mão no freio?