Dilma, Marina, e os Entraves ao Desenvolvimento

Voltaremos aos usos múltiplos dos reservatórios das hidrelétricas – essas hidrelétricas cafetinadas pelo setor elétrico em detrimento de qualquer planejamento integrado para os recursos hídricos!

Hoje, apenas algumas imagens que permitem uma reflexão sobre quem é mais responsável pelo baixo índice de desenvolvimento do Brasil: a turma do setor elétrico ou a do meio ambiente? Ou todo o resto, com a imperial incapacidade de formular e implementar projetos associada à “opção pelos ricos”, isto é, pelos banqueiros, ainda quando em detrimento do sistema de saúde público ou da segurança no controle dos transportes aéreos.

O setor elétrico, sob a gestão de Dilma Roussef, prometeu (pela centésima vez, nas últimas décadas), a universalização do acesso à eletricidade. Grandes fanfarras e muito marketing para mais um “Luz Para Todos”. Passados dois anos, não há informações oficiais sobre os resultados.

No sertão nordestino, uma pequena casa que se encontra a não mais que 200 metros da rede de baixa tensão. Há cerca de 20 anos prometeram a extensão da rede ao casal que nela reside. Felizes, eles adquiriram eletrodomésticos. A geladeira, que nunca funcionou, virou um armário, e a televisão se perdeu por nunca ter sido ligada e inexistirem peças de reposição. Ainda têm esperanças de que agora os recém eleitos tenham a generosidade de lhe conceder esse presente: o acesso à eletricidade.

O governo precisa visitar o sertão!

A mais comum é a conexão dos domicílios dos pequenos produtores rurais à rede enquanto as suas glebas, situadas 2-3 km adiante continuam sem eletricidade para acionar uma simples máquina agrícola de debulhar o milho, remover a casca da mamona ou acionar uma bomba d’água.

Das muitas cenas desse tipo que entravam o desenvolvimento econômico e a redução da pobreza, encontrei a mais impressionante no sul de Alagoas. Uma centena de famílias instalou-se na localidade há 20 anos, as casas foram construídas às margens da estrada de terra batida, a linha de transmissão em média tensão passa em frente aos lotes desde sempre para atender uma usina de cana, mas esses pequenos produtores rurais não conseguem ter acesso à eletricidade.

nordeste-a-eletricidade-que-chega-pertoweb-grande.JPG

Durante anos, os moradores da localidade foram ao prefeito e à CEAL – Companhia Energética de Alagoas pedir acesso à rede de eletricidade. Teriam ido ao Papa, se necessário. Pediram-lhes “abaixo-assinados”, um compromisso com um “político influente” desses que vivem de cafetinar ambulâncias e outras promessas, e muita paciência. Mas luz que é bom, nada. Até que a CEAL disse à associação de moradores que só faltava o transformador! E a associação de moradores comprou um transformador, que lá se encontra, encostado, há 2-3 anos, comprovando o desamparo e inspirando o desânimo.

esperando-pela-eletricidadeweb-grande.jpg

Evidentemente, a rede continua atendendo ao engenho do grande produtor situado um pouco mais adiante.

Será que já existe algum relatório sobre o andamento do tal programa de universalização do acesso à eletricidade, ainda que “universalização” (agora entre aspas)? Ou as concessionárias locais continuam fazendo o que bem entendem, inexistindo qualquer oportunidade ou incentivo para a formação de cooperativas de eletrificação rural? Aqui, vale lembrar que até mesmo no país onde o dinheiro é um deus, os EUA, as cooperativas de eletrificação rural desempenharam papel decisivo na universalização do acesso a esses serviços. E com sucesso!

Descaso similar encontra-se mesmo às margens do rio São Francisco, onde os pequenos proprietários rurais não têm acesso á eletricidade. Na foto a seguir, uma imagem da pobreza rural vizinha da abundância de água. O clima e o regime pluviométrico são os mesmos de todo o sertão, e esses pequenos produtores não têm como fazer uso da água e, portanto, da terra! É fácil imaginar o que faria um país sério em matéria de geração de produção e renda no meio rural em situação similar!

pobreza-e-seca-as-margens-do-rioweb-grande.JPG

Dona Dilma – bolsa-família é bom, mas usos produtivos da energia elétrica são ainda melhores! Dona Marina, a quase total remoção da mata ciliar ao longo de todo o rio São Francisco, bem como de seus reservatórios, aumentando a erosão e o assoreamento, são (ou deveriam ser) de competência de seu ministério que nunca ousou se pronunciar de maneira programática em relação ao absurdo programa de transposição das águas para beneficiar grandes latifundiários!

Finalmente, imagens de uma pequena cidade que ainda é abastecida por água coletada nos “barreiros” e transportada em lombos de burros para as residências… também nas proximidades do São Francisco. Primeiro, o “barreiro”, no caso formado pela construção de uma estrada para atender a uma mineração; depois, o “sistema de abastecimento” da cidade.

estrada-e-barreiro-iiweb-grande.JPG

abastecimento-de-agua-iweb-grande.JPG

Dilma Roussef, que antes de deixar o cargo no ministério de Minas e Energia criou mais uma estatal – a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) – para abrigar alguns assessores, aproveita-se agora do momento de transição para golpear Marina Silva abaixo da linha da cintura. A EPE, que ficou todo esse tempo na mesmice do melhor aproveitamento apenas hidrelétrico dos recursos hídricos, deve tê-la alertado, recentemente, de sua própria falta de criatividade e da necessidade de encontrar um bode expiatório.

Dona Dilma pedo o apoio de Lula para não “judicializar” (sic) o licenciamento das obras que certamente são de interesse das grandes empreiteiras (sim, ela assassina o idioma, ainda que ares de “eficientização” e estilo diferente do “noço guia”). Já dona Marina tenta se escorar num abaixo-assinado envolvendo 500 organizações não-governamentais…. como se existissem 500 organizações ambientalistas realmente representativas no Brasil. Mas jamais têve a ousadia de colocar o setor elétrico em seu papel de apenas mais um usuário dos recursos hídricos e manteve-se em sua usual posição escorregadia durante todo o debate sobre o absurdo projeto de transposição do São Francisco para atender aos interesses dos grandes proprietários rurais de outros estados.

Agora, elas que se entendam. Ou não! Mas o que entrava mesmo o desenvolvimento é a total falta de projetos – e não apenas de projetos de infra-estutura. Só agora, o governo descobriu que não tinha projetos de infra-estrutura?! E discute as prioridades a portas fechadas, na moita, quase na clandestinidade, no Brasil deles mesmos.

PS – É bem verdade que a falta de projetos é crônica e não começou agora. Já vem de muitas administrações. A aridez de idéias e propostas é superior a aridez do sertão. Na era FHC, houve um único projeto: a venda de ativos. O chato é que essa abulia continuou no primeiro governo Lula.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?