Biocombustíveis – As Trivialidades Lúlicas na Europa

No mesmo dia em que Lula visitava a Finlândia – viagem turística importantíssima! -, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou um relatório reforçando a posição de que o aumento da demanda por biocombustíveis seguramente implicará no aumento dos preços dos alimentos.  A OCDE não é uma ONG e inclui, entre os seus membros,  a própria Finlândia, além da Dinamarca, Noruega, Suécia, Holanda, Alemanha, Inglaterra, França e muitos outros países.  Lula discorda e não vê conflitos entre os usos da terra.

Não é a primeira vez que a OCDE apresenta estudos bastante aprofundados projetando significativos aumentos de preços dos produtos agropecuários em função da demanda por biocombustíveis.  Há poucos meses, a OCDE divulgou relatório conjunto com a FAO (a ultra-conservadora Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) no qual as projeções são bastante conservadoras.  Essas projeções indicavam para o aumento de 13% a 17% no preço dos grãos até 2017, 50% nos preços da carne bovina e suína, e de pelo menos 70% nos preços dos óleos vegetais (www.oecd.org/dataoecd/6/10/38893266.pdf) .  Isso tudo sem considerar a crescente demanda por terras agriculturáveis para a produção de madeira para uso em termelétricas e, também, para suprir a demanda adicional proveniente da substituição dos plásticos por produtos de origem vegetal.

O novo relatório, sem a influência dos pruridos diplomáticos da FAO, vai bastante além e ressalta que a produção de biocombustíveis implica, também, no aumento do consumo de pesticidas tóxicos e fertilizantes altamente danosos ao meio ambiente, na acidificação dos solos, e na inexorável perda da biodiversidade.  Como era de se esperar, esses países priorizam os avanços tecnológicos que possam resultar na redução do uso de combustíveis.  Parece inevitável que o Brasil se mantenha como exportador de produtos primários, de baixo valor agregado, e importador de tecnologia, com alto valor agregado. 

No mesmo dia em que a OCDE divulgou o seu último relatório, Rubens Barbosa, presidente do Conselho de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP, publicou um artigo intitulado “Crise no Programa de Biocombustíveis”.  Vale citá-lo:

“Qual a situação real do biodiesel (no Brasil)?

“Segundo a ANP, entre janeiro e junho de 2007 foram produzidos no Brasil 122 milhões de litros de biodiesel (…).  Apesar da expansão, o volume é 30% inferior ao que deveria ter sido entregue até junho de 2007  de acordo com os contratos firmados no segundo leilão de biodiesel realizados pela ANP em março de 2006.”

O autor demonstra que o cumprimento dos contratos em sua totalidade requer um aumento de 600% da produção no segundo semestre de 2007 quando comparada com a produção do primeiro semestre.”

Fora a acentuada divergência de pontos de vista entre Lula, sem números, e a OCDE/FAO, com números, resta, então, saber se as empresas que assinaram contratos e não cumpriram serão multadas, como sempre ocorre com os cidadãos comuns, ou se o assunto será esquecido, como é mais provável.

***

Na Suécia, Lula repetiu a mesma monótona baboseira sobre as “barreiras comerciais”, sem se dar conta que a Europa inteira preza a sua segurança alimentar e energética, ao contrário do Brasil, que exporta alimentos que aqui faltam.

*** 

Ninguém, mas ninguém mesmo, jamais comprará mamona para a produção de biodiesel.  A produção de óleo de mamona refinado para uso em cosméticos, aditivo em motores de aviação (inclusive da NASA), na indústria de esmaltes e outras, proporciona uma taxa interna de retorno média de 25%, enquanto se o produto for encaminhado ao mercado de biodiesel essa taxa de retorno não será superior a 12%.  As grandes esmagadoras que compram óleo de mamona para ter um “selo social” (eleitoral) do governo vendem o produto para os fins mencionados acima e empurram na Petrobras o óleo de soja mesmo.  É a velha política do “me engana que eu gosto”.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?