Novos Campos de Petróleo – Verdades e Mentiras

O anúncio da descoberta das jazidas petrolíferas de Tupi pelo governo omitiu a informação de que não existe tecnologia para exploração a uma profundidade superior a 6 quilômetros e podendo chegar até 10 quilômetros.

Na ocasião – novembro de 2007 – dona Dilma, discretamente,  fez apenas a ressalva de que o início efetivo da entrada em operação comercial dessas jazidas poderia levar uns 8 anos.  Um outro representante do governo falou em “altíssimos custos de investimento inicial, mas com a garantia da ‘sustentabilidade da auto-suficiência’ no longo prazo” (sic).  Ninguém se estendeu sobre esses temas – tecnologia e viabilidade econômico-financeira – e a imprensa brasileira tampouco interessou-se em aprofundar o tema.

Estima-se que Tupi, na bacia de Santos, tenha entre 5 e 8 bilhões de barris.  Poucos meses depois, a Petrobras anunciou a descoberta de reservas muito maiores nas proximidades de Tupi, algo na faixa de 33 bilhões de barris.  Esse “mega-campo” foi denominado Carioca e a Petrobras afirmou que ainda serão necessários alguns meses para a definição mais precisa de seu potencial.  As profundidades das duas jazidas, bastante próximas, sao similares.

Não é improvável que o prazo para o anúncio do dimensionamento “final” de Carioca se dê um pouco antes das eleições.  Quem se antecipar à data do anúncio oficial pode se dar bem comprando ações da Petrobras.

O que não se disse, nessa lenga-lenga toda de que Deus é brasileiro, é que não existe a tecnologia para chegar a essa profundidade, bem maior do que a alcançada pela Exxon e pela Chevron no Golfo do México, onde, há cerca de 2 anos, os sistemas de tubulação foram esmagados e brocas de diamante desintegraram-se em decorrência das pressões elevadas.  A Exxon abandonou o projeto em 2006.  Mas quem, no afã de divulgar resultados positivos para o governo, se interessaria por um detalhe como esse?

Alguns dizem que a Petrobras já sabia da existência de Tupi há anos, e sempre optou por não divulgar por as informações por temer ironias do mercado internacional diante desse detalhe da inexistência de tecnologia para a produção comercial de petróleo a essas profundidades.

Além da profundidade e da pressão corrrespondente, a temperatura das jazidas brasileiras, encontradas abaixo de espessas camadas de sal – algo em torno de 1,5 quilômetros -, pode atingir 260 graus Celsius, o suficiente para derreter até mesmo  estruturas metálicas utilizadas para transportar urânio para usinas nucleares.

Ao longo dos esforços para extrair petróleo e gás a profundidades bastante inferiores, uma empresa norte-americana – a Anadarko – desenvolveu e está utilizando aços capazes de suportar as pressões da exploração de gás natural a 2.700 metros de profundidade.  Numa entrevista recente, um engenheiro da Anadarko comparou os esforços da empresa à exploração espacial.

“O que fazemos nessas profundidades é semelhante ao que a NASA fez e faz na área do desenvolvimento de materiais para o lançamento de espaçonaves.  Mas a NASA não se defronta com o problema das enormes pressões externas.”

Os especialistas acreditam que essas tecnologias podem ser desenvolvidas e utilizadas comercialmente, em particular com o aumento contínuo dos preços do petróleo.  Afinal, US$ 200 por barril ao final deste ano da graça de 2008 é, hoje, a projeção do mercado de futuros da Bolsa de Chicago.  Mas todos concordam que no atual momento nenhum país ou empresa se arriscaria a fazer investimentos tão elevados na produção comercial em decorrência dos riscos tecnológicos.

Os mais otimistas estimam que com imensos investimentos – se comparados com os necessários para explorar petróleo às profundidades atuais -, Tupi pode entrar em operação até mesmo em 2012.  Mas 2008 já vai quase em meio  e não há sinais da contratação das plataformas para a exploração de Tupi, plataformas cuja mera fabricação demanda esse prazo (e ainda mais quando  considerados os prazos da publicação de editais, impugnações administrativas, e outras mumunhas mais até a assinatura dos contratos.

Não é tão remota a possibilidade do desenvolvimento das tecnologias necessárias.   Engenheiros sempre acham que Deus criou o mundo e a eles cabe a tarefa de aperfeiçoá-lo.  Resta saber qual será o balanço energético dessa exploração, isto é, quantas unidades de energia serão necessárias para extrair e refinar cada unidade de energia obtida a partir do petróleo nessas profundidades.  Em tese, a humanidade pode extrair energia até mesmo do centro da Terra, onde as temperaturas são elevadíssimas.  Mas não o faz por falta dos mesmos detalhes: tecnologia e balanço energético.

Ainda não há estimativas sobre os custos da extração do petróleo de Tupi e de Carioca.  Mas tampouco há dúvidas de que eles serão muito elevados.  E estabelecerão patamares para os aumentos dos preços para os consumidores nas bombas de gasolina.  Depois das eleições, é claro!  Aí, como de hábito, no dia seguinte virão os aumentos enfaticamente negados nos discursos da véspera.

Num país que há muito trocou o transporte ferroviário pelo rodoviário, os riscos inflacionários são elevados com os novos preços dos derivados do petróleo.  E como a alta produtividade agrícola depende de fertilizantes derivados do petróleo, vale preparar-se desde já para as adaptações necessárias às novas realidades, com ou sem mudanças climáticas.

***

O Brasil já produz mais petróleo que países membros da OPEC – a sigla em inglês dos países exportadores de petróleo – tais como Angola, Líbia e Algéria.  A diferença é que o Brasil não é um país exportador.

***

As miçangas do “grau de investimento” foram concedidas ao Peru um mês antes de Brasília comemorá-las.   Nunca se ouvir falar de um gigante estrangeiro que tomasse a decisão de investir ou não no Brasil com base nelas.  As operadoras de telefonia, concessionárias de serviços de eletricidade e muitas grandes empresas privadas foram compradas por grupos estrangeiros com ou sem as bobagens do grau de investimento.  A Standard & Poor’s foi uma dessas que não percebeu ou foi conivente com o tombo que a Enron e muitas outras deram nos fundos de pensão norte-americanos, tendo mantido o bom rating até o colapso.  É esse tipo de “máfia” que dá os certificados de bom comportamento que Brasília comemora.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

Um comentário em “Novos Campos de Petróleo – Verdades e Mentiras”

  1. Isso me lembra a fábula da raposa e das uvas, de Esopo. A raposa faminta viu uma videira carregada de uvas suculentas e aplicou todos os seus melhores recursos para alcançar as uvas. Tudo em vão. Era alto demais. Orgulhosa, saiu com essa: “Essas uvas estão mesmo muito verdes e azedas, são imprestáveis.”. A diferença é que no caso desse petróleo em grandes profundidades, a floresta inteira tem que pagar pela insistência da raposa.

    Nota do autor:

    A era do petróleo está terminando e os preços do petróleo continuarão a subir. Em artigo anterior, mencionei a decisão do Canadá de permitir a exploração das chamadas “areias betuminosas”, requerem o equivalente à energia de um barril de petróleo para extrair dois barris. Isso, além de devastarem grandes extensões de florestas (mas lá não tem franchise de ONG estrangeira para reclamar).

    A Shell tem estudos internos sobre o futuro próximo do petróleo no qual são delineados dois cenários. No primeiro, denominado “tecnologias inovadoras”, os países sérios conseguiram os necessários avanços tecnológicos e demandam cada vez menos petróleo, o que faria com que o preço baixasse, passando o petróleo a ser considerada uma energia suja de interesse somente dos países pobres. No segundo, denominado “negócios convencionais” (business as usual), o preço do petróleo sobe tão rapidamente que os países pobres não podem mais pagar a conta.

    Há um bom número de fatores não considerados no estudo da Shell – fraquinho, quando comparado com outros.

    Mas, vale a brincadeira, façam as suas apostas.

O que você pensa a respeito?