Amazônia, Soberania Nacional e Mudança de Estratégia

E se os muitos países que metem o bedelho nas questões relacionadas à preservação da Amazônia forem convidados a iniciar um programa de recomposição de 30 ou 40% de seus territórios com florestas nativas?  A humanidade teria muitos “pulmões de mundo”, mais eficientes e mais saudáveis!  Esses países estariam, também, dando uma contribuição tão revolucionária quanto decisiva para a proteção da biodiversidade, que reconhecem ser fundamental para a sobrevivência da própria humanidade.

Essa proposta seria um xeque-mate no intervencionismo que serve apenas às políticas eleitorais desses países e contribuiria de forma decisiva para mudar a correlação internacional de forças, um tema constante nos discursos de Lula.

E se os satélites desenvolvidos para fins militares e logo utilizados para identificar as grandes jazidas de minério fossem adaptados para localizar os núcleos de populações sem qualquer acesso a serviços médicos ou saneamento básico em meio às floretas amazônicas?  E se as informações obtidas por esses países-espiões sobre os minérios existentes no sub-solo dos países em desenvolvimento fossem tornadas públicas, como são as informações sobre os índices de desmatamento?

E se o tolo conceito de “Amazônia Legal” – introduzido para ampliar a área geográfica de concessão de benefícios fiscais – fosse suprimido da lei e do nome do Ministério do Meio Ambiente, de maneira a não mais confundir a cabeça das pessoas ou permitir que o debate e a formulação de políticas públicas não se degrade em debate político-partidário?

E se as FAOs e os Bancos Mundiais da vida calculassem as quantidades efetivas de produção de alimentos em bases sustentáveis necessárias para a alimentação humana, identificando as áreas e tecnologias mais apropriadas para essa produção em lugar de ficar só constatando que os chineses estão comendo mais ou pedindo mais dinheiro para enviar alimentos às populações mais pobres?

E se o Brasil começasse a formular políticas de segurança alimentar e energética a nível de regiões e até de microrregiões dentro de uma perspectiva de adaptação às mudanças climáticas, como já estão fazendo os países sérios?

***

O aumento de 50% para 80% na área de reserva legal das propriedades na Amazônia foi um chute da equipe da FHC para dar satisfações à mídia internacional.  Não funcionou.  Agora, a proposta em tramitação no Congresso de uso de 30% para o plantio de espécies regionais, se aprovada, deverá colocar Lula numa sinuca de bico, já que os governadores de toda a região apoiam o projeto, da mesma forma que o “Ministro do Futuro”, Roberto Mangabeira Unger, encarregado do planejamento estratégico da região pelo próprio Lula.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?