Mudanças Climáticas – Amplia-se a Farsa na Inglaterra

A polícia inglesa voltou a baixar o sarrafo nos cidadãos que participavam de uma manifestação contra a implantação de uma nova usina térmica à carvão.  Silêncio por parte da turma do antiquado teatro de guerrilha do Greenpeace e o impostor príncipe Charles – que tanto falam na importância de conter o desmatamento nos países subdesenvolvidos (para que eles possam lançar mais carbono na atmosfera). Como não se pronunciam sobre o fato da Inglaterra, entre outros, não ter alcançado as metas do Protocolo de Quioto é nem mesmo as metas posteriores da União Européia no que se refere à redução das emissões de carbono, ou sequer aquelas que o próprio ministério das mudanças climáticas estabeleceu para si.

O lobby do carvão de lá tem o governo no bolso com a mesmo desembaraço que as empreiteiras manipulam o poder público no Brasil.

A farsa inglesa não se limita à violência policial contra cidadãos que se opõem à geração de mais energia ultra-suja.  Recentemente, os tribunais ingleses proibiram a publicação pelo The Guardian de publicar informações sobre o tráfico internacional ilegal de resíduos altamente tóxicos pela empresa Trafigura, cujas relações com importantes membros do Parlamento já tinham sido divulgadas.  Nada diferente do que aconteceu aqui com a censura imposta ao Estado de São Paulo por um judiciário que optou pelo corporativismo em detrimento da liberdade de imprensa e dos interesses da naçao.  Foram necessárias cinco semanas para que o The Guardian fosse legalmente autorizado a publicar mais evidências da criminalidade ambiental consciente e premeditada de altos executivos da Trafigura que contaminaram milhares de pessoas na Costa do Marfim.

Talvez seja o caso de incluir a Inglaterra nessas ridículas listinhas norte-americanas apontando o dedo sujo de sangue para países em que há violações de direitos humanos e da liberdade de imprensa (nunca incluindo as muitas Guantánamos que criam, com manuais de tortura sacramentados pela Casa Branca, além das usuais invasões e bombardeios de populações civis).

Em dois meses essa corja estará dizendo que não foi possível alcançar um acordo em Copenhaguem porque Brasil e Índia não se comprometeram com metas claras de redução do desmatamento em troca de alguma esmola.  Logo a Inglaterra que, como ironizou Noel Rosa, inventou a “dívida flutuante”.  Eles se propões a dar uns trocados ao Brasil desde que haja severa fiscalização sobre a redução do desmatamento, mas não querem que ninguém os fiscalize quanto ao cumprimento dos acordos que sempre desrespeitam. 

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

One thought on “Mudanças Climáticas – Amplia-se a Farsa na Inglaterra”

  1. Luz Prado. Concordo com sua posição. A matéria embora verdadeira tem múltiplas faces. Um governo qualquer sempre focará a sustentabilidade econômica e social de seu povo! Entidades do Terceiro Setor iludidas pelo atual mundo virtual entenderão que em breve, algum cientista, com algum “software” qualquer resolverá o assunto de forma barata, fácil e sustentável! Os profissionais da área talvez nem pensem no assunto! Para eles o que existe e o real! O resto é apenas imaginário! Os vários tipos comuns de predadores humanos em seus respectivos locais de trabalho só pensam em faturar sobre a desgraça anunciada! O assunto é alarmante! É preciso pensar e agir sobre novos meios alternativos sustentáveis para gerar e consumir energia elétrica, água potável e alimentos.Como empresário e engenheiro não mais participo de congressos “vagos” sobre alternativas energéticas para minimizar o “Efeito Estufa”! É sempre muito mais sobre o mesmo! Apenas mesmice! Diria esperança vazia colocada com retórica qualificada, com mídia formidável! Na prática, o que se verifica é precioso tempo perdido e muitos gastos! O que de fato existe não resolverá o assunto! Está chegando à hora de quem ainda souber PENSAR, AGIR, PUDER E QUISER FAZER que o faça rápido, de forma pragmática e estruturada com recursos humanos e financeiros alocados em objetivos empresariais claros. É preciso rentabilidade, sobre resultados tecnicamente eficazes a curto prazo, em caráter prioritário, para gerar, distribuir e consumir energia elétrica. Em BLOG anterior sobre Mudanças Climáticas, comentei: Assumo e busco fazer a minha parte nesta “delicada” matéria mundial. Abraço. Fernando / Acquaway.

O que você pensa a respeito?