Energias Limpas e Liderança Tecnológica – A China Dá o Seu Recado – II

Em 2010, a China tornou-se o terceiro país do mundo em capacidade instalada de geração de energia eólica, com 20 GW.  Segundo o Conselho Mundial de Energia Eólica, com o atual ritmo de crescimento nessa área, já ao final de 2011 a China assumirá a liderança mundial nessa fonte de energia.  Os EUA temem, hoje, que turbinas eólicas chinesas invadam o seu mercado e os republicanos chegam a pedir o fim dos subsídios a essa fonte de energia.

A China, hoje o país que mais emite gases causadores de mudanças climáticas tem como meta atingir 15% de seu consumo de energia provenientes de fontes renováveis até 2020 (a meta européia é alcançar 20% naquele ano).  Mas a redução proposta pela China em suas emissões pode ser muito superior.  De fato, a China vê o assunto como uma oportunidade de avanços tecnológicos, de exportação de produtos e tecnologias, e de geração de emprego.

Hoje,  70% da eletricidade do país são provenientes da queima de carvão.  Assim, excetuada a alternativa da substituição dessas fonte de energia pela nuclear, resta a alternativa da rápida modernização das usinas térmicas e da incorporação de tecnologia de gaseificação do carvão, uma área em que o desenvolvimento tecnológico chinês já supera o norte-americano.  A eficiência média da conversão do carvão em energia nas unidades de geração térmicas mais antiquadas é de 25% ou menos, enquanto unidades mais modernas, que incorporam tecnologias avançadas, alcançam eficiência de até 55% na conversão do carvão, com uma redução proporcional das emissões de CO por unidade de eletricidade gerada, segundo a Agência Internacional de Energia.

Sistemas de gaseificação de carvão já existem há décadas, mas o seu preço era tão alto que a sua aplicação em larga escala os tornava inviáveis.  Os sistemas de gaseificação chineses já custam 1/3 dos seus equivalentes fabricados pela GE e pela Shell, e são mais eficientes.  E a China já está licenciando tais sistemas para empresas de geração térmica norte-americanas.  A gaseificação – um processo de queima com temperatura e pressão muito mais elevadas – aumenta em muito a eficiência energética e reduz significativamente a emissão de dióxido de carbono.

Esse e outros assuntos relacionados à liderança mundial no campo das energias renováveis foram motivo da visita de Obama a Pequim em novembro deste ano, depois de cinco visitas sucessivas à China feitas pelo subsecretário norte-americano de energia para políticas e assuntos internacionais – em apenas cinco meses.

Ao final desse encontro do G-2, Hu-Jintao, o presidente chinês, deixou claro que o seu país não pretende arcar com os altos custos da acelerada implantação de usinas térmicas mais modernas, equipadas com sistemas de gaseificação do carvão e ciclo-combinado, sem o auxílio financeiro dos países mais ricos enquanto a renda per capita chinesa for de apenas cerca de 1/7 da renda per capita nos EUA.  Ponto final.

Os grandes avanços tecnológicos da China têm uma origem algo prosaica.

“Em 3 de março de 1986, quatro dos mais importantes cientistas chineses – todos veteranos nas áreas de mísseis e do programa espacial – escreveram uma carta a Deng Xiaoping, então presidente da China.  A carta continha um alerta: décadas de concentração de esforços na área militar haviam debilitado o desenvolvimento científico civil do país.  A China deveria se unir ao xin jishu geming, a nova revolução tecnológica em andamento no mundo.  (…)  Deng Xiaoping concordou e rabiscou num canto da carta: ação deve ser iniciada nesse campo imediatamente.”

A partir daí, desencadeou-se uma política de envio massivo de chineses para fazer doutorado nas mais avançadas universidades do mundo.  A política de educação básica já estava consolidade e não havia tempo para esperar pelo avanço tecnológico interno convencional.  Aquele foi o ponto de partida, também, para uma política de massivos investimentos públicos em pesquisa e desenvolvimento.  Os investimentos públicos nessa área cresceram mais do que em qualquer outro país do mundo, a uma taxa média anual de 20%, atingindo 70 bilhões de dólares em 2008.

Feliz do país em que o presidente e a administração pública lêem.  E lêem cartas de cientistas com base nas quais tomam decisões com tal nível de repercussão sobre o futuro da nação.

***

Este artigo foi escrito com base em notícia do Le Monde de hoje e numa publicação bem mais ampla do The New Yorker intitulada Carta da China – O Gigante Verde – O Acelerado Programa de Pequim para Energias Limpas.  O artigo foi enviado pelo leitor Jaime Francisconi e pode ser encontrado em  www.newyorker.com/online/blogs/evanosnos.

***

Os rumos do G-2 são decisivos para o futuro climático e econômico da humanidade, já que o terceiro pilar, a União Européia, há muito optou por definir metas próprias.

No Brasil, a turma continua brincando de “Dia da Árvore” em escala nacional.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

2 comentários sobre “Energias Limpas e Liderança Tecnológica – A China Dá o Seu Recado – II”

  1. Gostei do final – “brincar de dia da árvore” é muito bom para se referir aos ambientalóides que olham a questão da sustentabilidade à partir da lógica de seu umbigo e de seu quintal.

    Sem ideologia e sem visão coletiva e pública não há avanço possível nessa área.

    E a grande imprensa se cala frente a esse tipo de notícias, afinal, para Golha, Estadão e outros, ainda vale “o que é bom para … é bom para o Brasil”.

    Mais do que o exemplo concreto de política de desenvolvimento sustentável e de comprometimento governamental com a construção de uma nação, o melhor que a China deixe de exemplo é a “soberania”.

    Comentário do autor

    Prezado Maurício,

    E muito além da mediocridade, os ambientalóides se tornaram arrogantes, acharam que o CONAMA podia “legislar”, transformaram a proteção dos recursos ambientais num business como outro qualquer, e agora estão assustados porque perdem, rapidamente, o respeito da sociedade.

    A grande imprensa “está no bolso” e os jornalistas jovens, mal pagos, não se aprofundam além do verniz das notícias, com raríssimas excessões.

    Soberania? Isso é algo que o Brasil já esqueceu há muito tempo – um país em que o presidente inaugura fábrica da Nestlé e onde o BNDES financia a Meredez Benz… Ha, ha!

    Abraço,

    Luiz Prado

  2. Eta chinesinhos sabidos. Encontraram o mapa do tesouro. E o Brasil, porque não segue estes exemplos? Não são tão difíceis de seguir!
    Um país de dimensões continentais (quase 50% da área sul americana), que poderia cortar este Brasil de norte a sul, de leste a oeste, com ferrovias cujo custo de transporte é bem mais barato que o rodoviário, e interligar os rios navegáveis para escoamento de suas riquezas, como fizeram os americanos no século passado.
    Mas não. As ferrovias estão abandonadas, sucateadas. As estradas de rodagem são mais fáceis de navegar. Será?
    Com uma infra estrutura francamente deficiente ( a Copa do Mundo de 2014 vai confirmar esta verdade ), o Brasil teima em deslanchar uma indústria francamente ineficiente e poluidora ( a rodoviária), mas furiosamente vulnerável a intromissão extrangeira, que não para de instalar fábricas de CO2 em nossa tão desproporcionalmente distribuída população ( Amazonas versus São Paulo por exemplo). Bem, mas o Brasil vai construir o “trem bala”. Super importante. E o restante das ferrovias sucateadas. Isto sem falar em expandir aeroportos, tornar maior e mais eficiente nosso sistema portuário, nossa capacidade de silos para armazenar nossas colheitas? O que estão fazendo com o minério no norte do país. Porque não usam as rodovias. Perguntem aos donos das minas.
    Outro exemplo chinês, sabidinhos.
    Eles estão formando milhões de trabalhadores com cursos profissionalisantes, em vez de milhares de cidadãos com curso superior.
    Vejam a quantidade de vagas no mercado brasileiro, para empregos de operários com preparo e experiência (profissioanlisar é a palavra), mas não, continuam a formar centenas de “faculdades” por este Brasil afora.
    Para que tanto engenheiro se faltam pedreiros? Incoerência!
    Outro exemplo dos chineses.
    Informatização ( computadores ) em todos os segmentos da sociedade, nas indústrias, na polícia, nos tribunais, no controle de tudo! Computadores baratos, nas escolas, nas indústrias. Computadores que custem quinhentos reais. Estão disponíveis. E’ só o governo querer que dezenas de interessados em fabrica-los vão bater as nossas portas. Isto se os fabricantes brasileiros não conseguirem o apôio do governo (juros e financiamento compatíveis). Vocês ja viram a fome que tem nossos jovens pela informática. Vamos saciá-los. Vamos baratear a informática. Vejam o exemplo da India. Os Estados Unidos estão sendo invadidos por indianos que são “cobras” em informática. Quem quiser comprovar vá até o Vale do Silício, na Califórnia!
    Outro segredo dos chinesinhos.
    O governo só se mete onde a iniciativa privada não consegue resultados. Herança do sábio Primeiro Ministro da China, que tirou o país do comunismo e o transplantou para um capitalismo mas com estilo chinês,
    para atender AS SUA NECESSIDADES ESPECIFICAS.
    O Brasil, ao contrário, caminha para uma socialização, com o governo se metendo e forçando a barra quando não é chamado. Distribuindo esmolas a título de “benefícios sociais” . Dando peixe na boca, em vez de ensinar os cidadãos a pescar ( ou melhor pensar).
    Tudo que sobe rápido demais, cai mais depressa. Cuidado Brasil. Cuidado com as “bolhas”.

    A C O R D A B R A S I L !!!!!!

    O PAIS DO DEITADO ETERNAMENTE EM BERÇO ESPLENDIDO !!!!!

    A C O R D A B R A S I L !!!!!

    Mude a letra do Hino Nacional ! E porque não. Para acordar, vale.

O que você pensa a respeito?