Jardins Botânicos – Monumentos de Amor à Natureza (Sem APPs)

Um merecido intervalo na usual avalanche de tolices proclamadas pelos Zambientalistas do Sétimo Dia sobre o Código Ambiental brasiliero: imagens do Jardim Botânico de Barcelona.  Lá, como no Jardim Botânico do Rio de Janeiro e em todos os outros do mundo, não há faixas marginais de proteção e nem áreas de preservação permanente estabelecidas em lei federal como regra pretensamente “de ouro” válida em qualquer lugar.  As margens dos riachos são contidas com estruturas de pedra de mão e de concreto, e ninguém é otário a ponto de achar que uma largura fixa de 30 metros (mínima) é útil para conter a erosão ou para determinar que essa faixa seja replantada com espécies nativas.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

3 comentários sobre “Jardins Botânicos – Monumentos de Amor à Natureza (Sem APPs)”

  1. As imagens não poderiam ser mais lindas!
    Você poderia escrever mais um pouquinho sobre os jardins…deu gosto de quero mais!

  2. Exemplos para inspiração não nos faltam, pena que os ambientalistas daqui sejam pobres de espírito.

  3. Ambientalista são coisas do passado em países sérios.
    Aqui, há, sim, os pobres de espírito. Mas há também os bem remunerados com dinheiro público, os ainda melhor remunderados com granas de fora, os que sobrevivem à sombra dos muitos “fundos sócio-ambientais”, e os inocentes inúteis das cidades.’
    Jardins botâncios maravilhosos existem em quase todos os recantos do mundo. Em nenhum encontra-se a preocupação com as reservas legais, as faixas marginais de proteção e outras baboseiras do gênero.

O que você pensa a respeito?