“Jornalismo Ambiental” da Folha de São Paulo – Mau Caratice Pura, Qualidade Lastimável

Com a péssima qualidade – e mesmo falta de caráter – do “jornalismo ambiental” que pratica, a Folha de São Paulo levantou suspeitas relacionadas a doações do setor do agronegócio para a campanha de congressistas que votam favor de mudanças no assim chamado “código florestal”.

Esse jornalismo faccioso, de algibeira, “esquece” que o agronegócio brasileiro representa 1/3 do PIB do país e que, portanto, pode naturalmente ser responsável por igual fração das doações totais feitas a campanhas políticas.

O folhetim paulistano também sonega a informação de que com ou sem os deputados beneficiados com essas doações, as mudanças se dariam – com de fato ocorreu – por maioria esmagadora primeiramente na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.  A minoria esmagadora dos assim chamados “ambientalistas” perdeu por grande margem de votos.  Foi uma sova que mostrou que os “verdes” não têm votos, não elegem, até porque são poucos, são quase nada.

O mesmo pasquim paulistano não consegue sequer segui uma linha minimamente lógica de raciocínio e se perguntar quanto outros beneficiados pelas mudanças no “código” – como os pequenos agricultores – teriam doado para campanhas de deputados!  E nem tenta.

E tenta menos ainda se perguntar qual a procedência dos recursos financeiros das grandes ONGs estrangeiras que atuam no Brasil e das brasileiras que recebem recursos de fora – o conjunto daquelas que tentam falar em nome dos “ambientalistas”.

Ou seja, “jornalismo” entre aspas, lastimável, viciado, faccioso!

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?