A Floresta da Tijuca Abandonada – II

Um dos mais belos pontos de visitação do Parque Nacional da Tijuca é a Mesa do Imperador.  Uma rápida pesquisa na internet permite encontrar a seguinte informação:

“Desde 1856 o Jardim Botânico estava ligado ao Alto de Boa Vista por uma estrada carroçável, aberta por influência do Barão do Bom Retiro e cuja execução e manutenção foi contratada a Thomas Cochrane. (…), um local preparado para servir como ponto de repouso nos freqüentes passeios da Família Real ganhou o nome de Mesa do Imperador.”

Há algum tempo, os bancos de pedra situados dos dois lados da mesa foram levados.  Não há informações sobre uma eventual restauração ou data para que sejam recolocados em seus lugares (da mesma forma que a placa que se encontrava sobre a mesa com informações sobre a mesma).  As marcas no chão sempre chamam a atenção dos visitantes.

Mesa do Imperador - Bancos desaparecidos.webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A mesa situa-se em local onde um corte foi feito na encosta.  Difícil imaginar que algo assim pudesse ser feito novamente nos dias de hoje sem que algum ambientalista ou mesmo o Instituto Chico Mendes não arumentassse que essa é uma “área de preservação permanente” em função do declive na encosta nos termos do Código Florestal.  Mas as obras de conteção são magníficas, em pedras – e não em concreto projetdado -, com escadarias.  Os corrimãos encontram-se em estado deplorável, como se vê na foto abaixo.

Mesa do Imperador - gradil.webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Também a fonte situada em frente à mesa está abandonada, sem a bica d’água em ferro fundido, tendo se transformado em local de acúmulo de folhas, o que induz alguns visitantes menos educados a nela depositarem até lixo.

 

Mesa do Imperador - Fonte.webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os sistemas de drenagem são perfeitos, mas encontram-se entupidos por folhas e terra.  Em visitas subsquentes pode-se notar que nunca são limpos.

Mesa do Imperador - Bueiro.webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para os que não conhecem essa maravilha que é a Floresta – e que merece melhor manutenção -, imagens e um pouco da história do Parque pode ser encontradas em www.clubedosaventureiros.com/guia-de-trilhas/61-parque-nacional-da-tijuca-setor-a-rj/753-parque-nacional-da-tijuca

***

Será que a mesma turma que “gerencia” assim os parques nacionais vai tomar conta das reservas legais e “áreas de proteção permanente” em terras privadas?

 

 

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?