A Floresta da Tijuca Abandonada – V

Que o marco a Taunay em frente à Cascatinha que leva o seu nome – e onde ele viveu – esteja totalmente abandonado, já é supreendente.  Que uma nova divisão da Guarda Municipal estacione quase encostado nesse marco é uma ofensa aos visitantes, além de uma demonstração de descaso dos encarregados da gestão do Parque Nacional.  E note-se que trata-se de um “grupo” da Guarda especializado em “Defesa Ambiental”.  O estacionamento é amplo, mas talvez as assim chamadas “autoridades” quiseram demonstrar que a tal “Defesa Ambiental” está presente num sábado de maior visitação.  Um pouco de treinamento e orientação por parte da “gestão” do Parque não seria ruim (para que não coloquem a “culpa” nos próprios guardas e finjam que o próprio não é um problema, pelo abandono).

 

Guarda Muinicipal X Marco.webpeqquena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na mesma Cascatinha Taunay – talvez o ponto de maior visitação do Parque Nacional – há uma captação de água da CEDAE – a concessionária dos serviços de água e esgoto que atormenta o Rio de Janeiro.  Não se sabe se ela paga uma “compensação ambiental” ao Parque, como determina o Art. 47 da Lei que criou o SNUC.

Art. 47. O órgão ou empresa, público ou privado, responsável pelo abastecimento de água ou que faça uso de recursos hídricos, beneficiário da proteção proporcionada por uma unidade de conservação, deve contribuir financeiramente para a proteção e implementação da unidade, de acordo com o disposto em regulamentação específica,

Mas quem visita o Parque com alguma frequência sabe essa captação reduz consideravelmente a vazão de água e o enchimento do açude que fica à jusante e que ela é interrompida nos fins de semana, quando a visitação é mais intensa.  Ocasionalmente, funcionários da CEDAE são vistos coletando amostras de água no pequeno reservatório onde se encontra a Cascatinha.  Uma tela de proteção para evitar a passagem de folhas e galhos é colocada num vertedouro lateral.  Infelizmente, às vezes é deixada ali mesmo, “adornando” a paisagem natural do Parque e a beleza da Cascatinha.

 

Cascatinha X CEDAE.webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nada como toda uma equipe bem treinada para gerir e para atuar dentro de um Parque Nacional!

***

A saída do Parque pelo caminho usual está fechada há meses, desde que jornalistas tentaram saber como seria a dragagem ou retirada dos sedimentos que assorearam o Açude da Solidão, qual o valor dos serviços, qual o volume de material e para onde seria levado.

 

 

 

 

 

 

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?