Racionamento de Água – Como os Cidadãos Podem se Proteger dos Abusos das Concessionárias

Umas das preocupações dos cidadãos diante do racionamento de água – que já vem ocorrendo e pode atingir o Rio de Janeiro e muitas outras cidades – deve ser como se proteger contra os abusos e a obsolescência das concessionárias dos serviços de água e esgoto.

Já que não vão resolver mesmo as elevadas perdas técnicas e comerciais, é necessária uma especial atenção para a absurda cobrança por área construída ou por consumo estimado, em particular quando considerada a precariedade dos sistemas de medição (hidrômetros).  Se não estiverem atentos, os consumidores acabarão pagando por um serviço que não é prestado, como já vem ocorrendo em Itu, onde a concessão dos serviços foi feita ao Grupo Bertin, que consegue a mágica de atuar nas áreas de infraestutura, energia, equipamentos de proteção, agronegócio, alimentação e hotelaria.  Se fallta água, a Aguas de Itu deveria aceitar que isso faz parte do “risco de negócio” e não cobrar por um serviços que não está sendo prestado.

Pouco afeitas às inovações tecnológicas, as concessionárias de água e esgoto continuam a usar hidrômetros antiquados, com grande número de componentes – do tipo relógios antigos, mecânicos -, sem os ganhos de precisão das informações em tempo real que pode ser propiciada por medidores mais modernos, eletro-magnéticos e de outros tipos.  Os avanços nesse campo nos últimos tempos permite uma visualização precisa da ocorrência de vazamentos no interior das edificações e simplifica a leitura para emissão da conta por parte das concessionárias.

Como exemplo, vale citar uma pequeníssima empresa de água, esgoto e eletricidade, de propriedade dos próprios usuários, a Modern Electric Water Company, que em 2008 substituiu todos os seus hidrômetros por medidores automáticos que permitem a leitura remota.  Para que não se diga que isso é impossível de ser feito por uma concessionária que atende a uma população muito maior, que tal visitar a página do Departamento de Proteção Ambiental da Cidade de Nova York que, num programa de substituição de todos os hidrômetros com mais de 13 anos de uso – ou seja, com prazo de vida útil terminado ou próximo do término – por medidores de leitura automática, que permitem economias na prestação dos serviços e melhor controle dos usuários.  Em três anos, foram 834.000 medidores desse novo modelo.

Aqui, recomenda-se que os usuários guardem as suas contas de água e esgoto, e desde já se organizem para os casos de racionamento e outros, de maneira a questionar judicialmente a cobrança indevida.

Se não, as concessionárias vão continuar inventando grandes obras – com os correspondentes longos prazos e aditivos aos contratos -, divulgando informações não comprovadas sobre a substituição de redes de distribuição antigas mas mantendo elevadas perdas técnicas e comerciais, e sem cuidados efetivos com seus clientes.

 

 

 

 

 

 

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

O que você pensa a respeito?