O Rio São Francisco Também Ameaça Entrar no “Volume Morto”

O reservatório da hidrelétrica de Sobradinho, responsável pela geração de 58% da eletricidade consumida na região nordeste, encontra-se com apenas 5,4% de sua capacidade de reservação de água, segundo o Operador Nacional do Sistema – ONS.

Como é praticamente inevitável que isso ocorra, o assim chamado “governo” tenta apenas adiar mais esse colapso reduzindo a geração dessa hidrelétrica para menos de 15% de sua capacidade instalada e aumentando a liberação de água do reservatório da hidrelétrica de Três Marias, em Minas Gerais.

Agora, contratam-se “obras emergenciais” – que dispensam licitações –, ainda que esse colapso já estivesse previsto há vários meses.

Rio São Francisco - Volume Morto

 

 

 

 

 

 

As pessoas não gostam de más notícias, e isso de uma certa forma isso é “natural”, ainda que alguns povos sejam mais propensos do que outros a transformá-las em ações – de curto ou longo prazo – para fazer face a novas realidades, enquanto outros preferem a solução do avestruz.

No caso brasileiro, a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República preferiu a demissão dos coordenadores dos estudos sobre os impactos das mudanças climáticas no Brasil quando recebeu a versão preliminar do relatório que deveria ser divulgado em abril deste ano (2015).  Infelizmente, o conteúdo dessa versão que desagradou o assim chamado governo não vazou para a imprensa.  A lealdade à hierarquia administrativa foi maior do que o amor à verdade e à transparência.

Agora, aqui e ali, começam a ser divulgadas algumas frações do que dizem os cientistas.  A imprensa foi tímida na divulgação do Plano de Ação Estadual de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca de Minas Gerais, um nome de fantasia conveniente para usar a expressão “mudanças climáticas”.

Mas alguns números são suficientemente claros: 20 anos para que toda a região onde se encontram as nascentes do rio São Francisco e outros esteja completamente desertificada.

Minas Gerais - Água

 

 

 

 

 

 

 

O ano se passou e a administração pública federal e da maioria dos estados limitou-se a discutir o naufrágio político e/ou financeiro, além de como meter mais ainda a mão no bolso dos contribuintes.

Talvez seja hora de estabelecer laços de cooperação técnica mais estreitos e mais dinâmicos com a Califórnia, o Texas, a administração Obama de um modo geral (que mudou complemente a percepção da nação sobre as mudanças climáticas), com Israel e outros já acostumados a enfrentar os problemas da escassez de água de frente e com sucesso.

***

A inscrição no blog para receber notificações de novos artigos pode ser feita na metade da coluna.  Depois de preencher o campo com o email, os interessados receberão um email de confirmação.

 

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

One thought on “O Rio São Francisco Também Ameaça Entrar no “Volume Morto””

O que você pensa a respeito?