Centrais solares da ENEL – Os preços da energia solar são 100% maiores no Brasil do que no México


-- Download Centrais solares da ENEL - Os preços da energia solar são 100% maiores no Brasil do que no México as PDF --


Em janeiro de 2017, o canal Solar Plaza de informações sobre energias renováveis divulgou a lista dos 30 menores preços para a geração de energia solar centralizada no mundo.  Estranhamente, os preços no Brasil ficaram na faixa de US$ 0,079/kWh,  3 vezes superior aos preços alcançados nos Emirados Árabes Unidos – US$ 0,024/kWh, e bem acima dos US$ 0,029/kWh no Chile e mesmo dos US$ 0, 035/kWh no México (neste último caso, com a implantação sendo feita pela mesma ENEL que alcançou um preço duas vezes maior no Brasil).

O que há de errado – e muito errado! – nisso, já que os índices de insolação não são tão diferentes, sobretudo se considerarmos a região nordeste e não a média brasileira?  Aliás, mesmo em regiões dos EUA, onde os índices de radiação solar são seguramente menores do que no nordeste do Brasil, os preços chegaram a ser a metade daqueles contratados no Brasil.

 

US$/kWh Nome (MW) País Início das Operações Empresa
1 0.024 ADWEA 350 UAE 2019 ADWEA
2 0.029 120 Chile 2019 Solarpack Tecnologica
3 0.030 800 MW Fase III – Sheikh Maktoum 80 UAE 2020 Dubai Electricity Authority (DEWA)
4 0.035 427 México 2018 Enel
5 0.039 100 USA 2018 NV Energy
6 0.040 0.398 USA 2014 THiNKnrg
7 0.041 Austin Energy Recurrent 150 USA 2016
8 0.045 Sandstone 45 USA 2015
9 0.049 50 UAE Saudi Electric Company
10 0.050 150 USA 2016 Austin Energy /
Reccurent Energy
11 0.051 Macho Springs Solar Project 50 USA 2014  El Paso Electric /
First Solar
12 0.051 River Bend 80 USA 2016
13 0.060 Dubai Electricity Authority 100 UAE ACWA power
14 0.064 Amunche Solar 16 Chile 2017 Amunche Solar (Solarpack)
15 0.064 Estado de Rajasthan 70 India Fortum
16 0.065 515 USA 2016 Georgia Power
17 0.067 100 India 2017 FRV
18 0.067 1000 India 2016
19 0.070 Andhra Pradesh 500 India SunEdison
20 0.070 80 USA 2017 Southern California Edison
21 0.073 Lost Hills PV 32 USA 2019 First Solar and PG&E
22 0.075 Power plant Rajasthan 5 India 2013
23 0.076 Madhya Pradesh 150 India Skypower
24 0.078 5 Brazil Sun premier
25 0.079 20 Brazil Invesiones Solares
26 0.079 60 Brazil Gransolar
27 0.079 410 Brazil Enel Green Power
28 0.083 Brazil Conergy
29 0.086 The Green Energy Corridor 500 India 2019 First Solar
30 0.130 86.5 India Essel Group / Rays Power

O assunto merece uma revisão crítica envolvendo desde a regulamentação até a estrutura de custos e dos modelos de negócios.   A diferença não é aceitável sob nenhuma ótica, e é ainda mais inadmissível quando já foi anunciado que em agosto de 2017 os preços da eletricidade no Brasil voltarão à bandeira vermelha, isto é, serão elevados em consequência da mais do que previsível escassez de água nos reservatórios das hidrelétricas.  Os impactos sobre a inflação não serão pequenos – em particular se somados aos aumentos nos preços dos combustíveis fósseis.

O que têm a ENEL e a Associação Brasileira de Energia Solar a dizer sobre isso – já que os órgãos governamentais não se atualizam e tampouco estão lá muito interessados no interesse público, na retomada da economia através de novas iniciativas – fora a mesmice dos juros e dos aumentos dos impostos.

Publicado por

Luiz Prado

Quando estudante de Economia, já no segundo ano da faculdade, caiu-me nas mãos o relatório Limites para o Crescimento, encomendado pelo Clube de Roma ao MIT. Para quem não sabe, o Clube de Roma era um encontro anual de dirigenes de grandes corporações para dividir mercados. No período anterior, Agnelli propôs que discutissem, também, fontes de suprimento de matérias-primas. Como não tinham as informações, encomendaram o estudo sobre o tema ao MIT. Limites para o crescimento era algo impensável na teoria econômia! - e os economistas ainda continuam medindo o mundo pelo tal crescimento do PIB! Daí para apaixonar-me por recursos naturais foi um pulo. E passei a vida trabalhando sobre o tema.

2 comentários sobre “Centrais solares da ENEL – Os preços da energia solar são 100% maiores no Brasil do que no México”

  1. Quais serão as causas da diferença, sobretudo considerando que as áreas de alta insolação do sertão do nordeste não têm valor para a produção agrícola. A falta de ação do MME na construção de linhas de interconexão? Os altos custos trabalhistas? Os obstáculos frequentemente colocados pelos grupos “ambientalistas” para as centrais fotovoltaicas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *