A morte anunciada das térmicas a carvão… e o Brasil na mesmice

O título de uma notícia não poderia ser melhor – e por isso foi, aqui, apenas traduzido: Assim morre o carvão – Com energias renováveis super baratas e sistemas de estocagem de energia.

A notícia foi publicada inicialmente por Think Progress e logo reproduzida por outros meios de comunicação.  Ela pode ser lida aqui (em inglês).

A noticia é sobre a última concorrência feita no Colorado para aquisição de energia firme – isto é, de fornecimento constante, 24 horas por dia – que resultou em preços de energias renováveis mais baixos do que os meros custos operacionais das termelétricas a carvão existentes (e já amortizadas).  E isso no Colorado, onde os índices de insolação não são tão altos quanto na região nordeste do Brasil.

Continuar lendo A morte anunciada das térmicas a carvão… e o Brasil na mesmice

Agência regulatória de energia dos EUA rejeita proposta anacrônica de Trump – Como seria algo assim no Brasil?

Em países onde as agências regulatórias são sérias, “ordens” presidenciais são rejeitadas como sugestões e propostas de quaisquer outras organizações e entidades.  Isso ocorreu há dias com uma proposta de Trump voltada para subsidiar a geração de eletricidade de fontes térmica a carvão e nuclear.  A decisão dos 7 conselheiros da agência regulatória de energia dos EUA foi unânime, mesmo com 4 deles tendo sido indicados pelo atual presidente.

Continuar lendo Agência regulatória de energia dos EUA rejeita proposta anacrônica de Trump – Como seria algo assim no Brasil?

ONS e CHESF demonstram despreparo ou irresponsabilidade mesmo

De repente, a vazão de um rio passa de 550 m³/segundo para 1.000 m³/segundo.  E sai inundando tudo rio abaixo, com perdas para a população ribeirinha.  Não é a primeira vez que isso acontece, mas uma estatal do governo – a CHESF – acusa um órgão do mesmo governo – o Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS, que teria dado uma ordem “emergencial”.  No marasmo geral em que o país se encontra na área de políticas públicas, a notícia passou meio desapercebida.  O  ministro de Minas e Energia não foi questionado e nem se pronunciou.  Ganha uma passagem para Petrolina quem souber o nome de memória e algo da experiência dele no setor energético.

Continuar lendo ONS e CHESF demonstram despreparo ou irresponsabilidade mesmo

Estocagem de energia solar e eólica em mega-baterias – Austrália inaugura uma com capacidade de 100 MW

Um dos problemas centrais das energias renováveis – excetuadas as células de combustível/hidrogênio – é que nem sempre a geração se dá nos momentos de maior consumo.  Daí a preocupação com a estocagem, entre outras como as redes inteligentes (smart grids).

O Brasil tem um sistema de estocagem já implantado mas mal utilizado no que se refere à sua integração com a energia solar e eólica: os reservatórios das hidrelétricas.  Se as assim chamadas autoridades setoriais soubessem fazer contas ligeiramente mais sofisticadas e cuidassem da automação das hidrelétricas, estocaria água – e portanto energia – nesses reservatórios no período da geração com energias renováveis fora dos horários de demanda de pico.

Continuar lendo Estocagem de energia solar e eólica em mega-baterias – Austrália inaugura uma com capacidade de 100 MW

Tóquio se prepara para grandes tufões e para a elevação do nível dos mares

Em  1990, Tóquio começou a investir maciçamente em programas de redução de enchentes causadas por tufões e pela elevação do nível do mar (marés altas mais altas e similares).  Nas áreas mais protegidas, novas indústrias se instalaram e a economia floresceu.   Em diversos trechos, essas instalações subterrâneas têm o aspecto de uma catedral ou templo construído na antiguidade.

Alguma similaridade com a Basílica Cisterna construída em 532, em Istambul, durante o Império Bizantino, utilizando 336 colunas procedentes de templos “pagãos”, com capacidade para estocar 30 mil metros cúbicos de água? (foto no topo deste post)

A mais antiga foi construída para estocar água e a de Tóquio para assegurar a drenagem rápida de águas de tufões, com as correspondentes enchentes, assim como com inundações decorrentes das cada vez mais altas marés decorrentes da elevação do nível dos oceanos.  Em Tóquio, os sistemas de bombeamento de água incluem a potência de turbinas de Boeing.

Informações detalhadas desse fenomenal sistema de drenagem podem ser encontradas numa recente reportagem do New York Times intitulada “Tokyo está se preparando para inundações maiores do que qualquer uma jamais vista”: Tóquio se prepara uma um aumento do nível de mar com um gigantesco sistema de escoamento subterrâneo.

Mas uma reportagem da TV Al Jazeera certamente é mais ilustrativa do ponto de vista visual e útil mesmo para os que não falam inglês (as legendas podem ser ativadas).

Vale comparar com cidades brasileiras que, como o Rio de Janeiro, não têm sequer um plano diretor de macro-drenagem que forneçam os parâmetros para o dimensionamento e o encaminhamento correto das redes de coleta de águas de chuvas?