Perdas por evaporação nos na “transposição” do São Francisco X Energia solar flutuante

As perdas por evaporação nos canais e reservatórios do sistema de “transposição” do São Francisco estão estimadas em 30%.  Água bombeada que se vai no semi-árido nordestino.

Ao final do ano passado, estimavam-se os custos operacionais da transposição do rio São Francisco em R$ 800 milhões por ano, principalmente em eletricidade para o bombeamento.  No início de 2019, a Agência Nacional de Águas – ANA resolveu definir tarifas (subsidiadas?) para a adução e disponibilização da água que indicam custos de R$ 433 milhões para o trecho já concluído.  Em tese, esses custos serão distribuídos entre os estados atendidos, proporcionalmente à vazão de água entregue a cada um deles.  Considerando as expectativas de aumento nos preços da energia, a conta pode subir e cair no colo do Tesouro Nacional.

Continuar lendo Perdas por evaporação nos na “transposição” do São Francisco X Energia solar flutuante

Brasil: as devastações da mineração. Desta vez, Braskem agindo como a Vale

Uma Chernobyl não radioativa ameaça transformar vários bairros de Maceió em paisagens lunares.  Novamente, descontroles de atividades da mineração com graves prejuízos para a sociedade.  Desta vez, a Braskem, sucessora da Salgema.  O vídeo a seguir é excelente introdução à catástrofe já em andamento.

Continuar lendo Brasil: as devastações da mineração. Desta vez, Braskem agindo como a Vale

Linhão Manaus – Boa Vista merece alguns estudos de engenharia e alternativas tecnológicas

O governo decidiu que a construção de um linha de transmissão Manaus – Boa Vista como de interesse nacional para fins de licenciamento ambiental.  A região recebe energia elétrica da Venezuela onde o regime politico auto-denominado “bolivariano” encontra-se em acelerada decomposição!  Ainda assim, a decisão tem características de quem faz mais do mesmo, e o problema não é principalmente ambiental, mas econômico.

Esse “linhão” é a melhor solução ou apenas aquele projeto que já estava nas prateleiras e atende aos interesses dos fabricantes de torres e linhas de transmissão, das empreiteiras que nunca foram nada chegadas aos avanços tecnológicos, ainda que simples como a transmissão por cabos subaquáticos usando a malha fluvial regional?

O conceito – já antiquado – do governo fornecer os projetos básicos para que as empreiteiras vencedoras só os detalhem já poderia ser substituído por um concurso em que se aceitam alternativas tecnológicas para que sejam atingidos os mesmos objetivos.

Continuar lendo Linhão Manaus – Boa Vista merece alguns estudos de engenharia e alternativas tecnológicas

Água e energia: o fim do consumidor cativo como condição para o avanço do Brasil

O uso da expressão “monopólio natural” é frequente na economia para descrever uma situação na qual não se justifica a concorrência – até por razões econômicas – e, assim, há necessidade da presença do poder público na regulamentação.  Aos poucos, esse tipo de monopólio se espatifa, como já vem acontece há tempos com a telefonia e com as comunicações em geral.   A mesma tendência vem mostrando os seus contornos da área da eletricidade e logo se fará presente no campo da gestão de águas.  Em alguns lugares, as resistências inerciais são maiores do que em outros, ainda que os avanços tecnológicos sejam irreversíveis e a sua disseminação cada vez mais incontrolável.

Evidentemente, essa noção já avançou bastante – ainda que não o suficiente -p no setor elétrico, e tardará mais, ainda que deva ser um norte para o setor de água e esgoto.

Continuar lendo Água e energia: o fim do consumidor cativo como condição para o avanço do Brasil

Mudanças climáticas – Cresce a percepção e aumentam as reações

Universidade de Yale realizou a sua última pesquisa sobre a percepção pública dos norte-americanos sobre as mudanças climáticas: 73% dos entrevistados acreditam que as mudanças climáticas estão em curso com danos já acontecendo no presente.  Esse programa de monitoramento da opinião pública realizado por Yale iniciou-se em 2008 e alcançou o índice mais baixo em 2011.  Agora, apenas 14% dos cidadãos dos EUA acreditam que tais mudanças não estão ocorrendo, e 62% acreditam que as causas são as atividades humanas.  Com os devastadores incêndios na Califórnia nos últimos meses de 2018 e a temperatura de Chicago tendo sido inferior a algumas áreas da superfície de Marte em janeiro de 2019, esse número tende a aumentar (não importando o que pensa Trump).

Continuar lendo Mudanças climáticas – Cresce a percepção e aumentam as reações