O triste congresso nacional (com minúsculas) e o mito da regulamentação de tudo

A câmara dos deputados prepara-se para votar, novamente, algum tipo de regulamentação dos aplicativos de transporte de automóveis.  Evidentemente, é apenas mais uma imbecilidade na disputa entre a máfia dos táxis comuns e os grupos que controlam esses aplicativos.  A obsessão regulatória já tem um custo demasiadamente elevado para o Brasil: tomada de três pinos, passaporte com validade de apenas 4 anos, exigência de certidão de nascimento e uma pilha de outros documentos para a renovação do passaporte (supondo-se que ao se tirar o primeiro, a pessoa já provou à PF que nasceu), e por aí afora.

Continuar lendo O triste congresso nacional (com minúsculas) e o mito da regulamentação de tudo

Cedae – Privatização ou concessão à iniciativa privada?

A palavra “privatização’ da Cedae parece ter se tornado unânime, ainda que inevitavelmente se trate de várias concessões.  A competente Maria Silvia Bastos – presidente do BNDES – sabe disso e suas declarações sempre foram claras: nada de privatização, mas quatro concessões abrangendo grupos de municípios.  Exatamente como foi feito, de forma pioneira na Região dos Lagos, de forma pioneira, por iniciativa dos próprios prefeitos e excelentes resultados.

Quem insiste na palavra privatização é o corporativismo, políticos que se posicionam ideologicamente ou estão caçando uns votinhos, e a imprensa quando não sabe a diferença entre uma coisa e outra.

Continuar lendo Cedae – Privatização ou concessão à iniciativa privada?

A Índia comprova a viabilidade de barcas solares de passageiros

O estado de Kerala, na Índia, comprovou a viabilidade técnica e econômica de embarcações solares, com redução de 97% nos custos operacionais de embarcações de transporte público com capacidade para 75 passageiros sentados.

Continuar lendo A Índia comprova a viabilidade de barcas solares de passageiros

A espalhafatosa privatização da Cedae e danem-se os municípios… e o saneamento básico

Meirelles é a única voz do governo – fora as usuais disputas por cargos em Brasília.  Em tempos de crise, um mero contador tenta aparecer como economista, quando na verdade só quer que as colunas da direita e da esquerda se encontrem (o que, convenhamos, é o mínimo).  Nada sobre o aumento do dinamismo econômico que possa resultar em geração de emprego e em aumento da arrecadação.  Nada de sério na saúde pública ou na educação.

Até as mais caretas agências de classificação de risco já divulgaram notas informando que não se trata apenas do deficit público, mas da incapacidade do governo para fazer a economia crescer

Continuar lendo A espalhafatosa privatização da Cedae e danem-se os municípios… e o saneamento básico

Rocinha e São Conrado – O Abandono no Rio de Janeiro

Tudo bem, reduzir despesas é fundamental na situação em que se encontra o poder executivo em todos os níveis.  Mas há, também, que dinamizar a economia – e não apenas ou nem principalmente através das taxas de juros.  Boas políticas públicas não dependem necessariamente de investimentos diretos.  Em todo caso, enquanto se espera pelo fim da crise, que tal produzir projetos de boa qualidade, que não saiam de negociações espúrias com empreiteiras que desprezam a engenharia e querem mesmo é colocar mais concreto e faturar por mais metros cúbicos de escavação?

Continuar lendo Rocinha e São Conrado – O Abandono no Rio de Janeiro