Estocagem de energia – Mercado explosivo

O mercado de equipamentos de estocagem de energia continua “explodindo”, crescendo a taxas exponenciais.  Só nos EUA, as previsões são de que em 2017 as novas instalações atinjam 6.000 MW, saindo de uma base de apenas 340 MW em 2012-2013.  As previsões constantes da página da Associação de Estocagem de Energia dos EUA indicam que a instalação anual de capacidade adicional deve atingir 40.000 MW em 2022.

Os sistemas de estocagem de energia vêm avançando de maneira acelerada, viabilizando mais instalações solares e eólicas tanto para gestão eficiente das redes de transmissão e distribuição inteligentes quando para assegurar a autonomia dos clientes (após o medidor de consumo individual – industrial, comercial ou residencial).

Continuar lendo Estocagem de energia – Mercado explosivo

Agricultura urbana, hidroponia vertical e segurança alimentar

A agricultura urbana vem se expandindo nos países mais desenvolvidos, onde existe uma boa percepção da segurança alimentar e, também, dos custos de transporte de alimentos até os pontos de abastecimento de grandes cidades.

No torpor mental em que o Brasil se encontra, seria interessante que o poder público – em todos os níveis – incluindo prefeitos – e a iniciativa privada pensassem mais nessa alternativa.  Afinal, o país é um grande exportador de alimentos mas deles carece o consumo humano a preços menos sujeitos às oscilações do clima e do consumo de combustíveis.

Continuar lendo Agricultura urbana, hidroponia vertical e segurança alimentar

Notas sobre a quarta revolução industrial

O Brasil não está se preparando de maneira adequada para as mudanças climáticas e tampouco para a quarta revolução industrial.

Este post é a tradução de trechos de um texto preparado por especialistas em tecnologia da informação, com base em inovações que já estão se disseminando rapidamente.

***

Em 1998, a Kodak tinha 170.000 empregados e vendia 85% do papel fotográfico do mundo.  Em poucos anos, a empresa foi à falência.

Continuar lendo Notas sobre a quarta revolução industrial

O Chile dispara na energia solar e os preços da eletricidade caem

O Chile adotou uma política inovadora no campo da geração de energia: em leilões abertos, qualquer fonte concorre com qualquer outra fonte.  Uma concepção bem diferente da brasileira, na qual o poder público faz leilões periódicos para a aquisição de energia de cada fonte, mas não larga o osso das hidrelétricas de grande interesse das empreiteiras.

chile-abengoa-solar-plant-600x417

 

 

 

 

 

 

 

Continuar lendo O Chile dispara na energia solar e os preços da eletricidade caem

Dubai – O Emirado Avança a Passos Largos na Área de Energias Renováveis

Em 2017, entrará em operação o primeiro módulo – com 200 MW – da maior central solar do mundo, o Parque Solar Bin Rashid Al Maktoum, cuja capacidade instalada deverá atingir 1.000 MW em 2020 e 5.000 MW em 2030, no Emirado de Dubai (diferente da cidade de Dubai).

Pode não parece muito quando comparada a capacidade instalada do Brasil, mas a população desse Emirado é de apenas 2,5 milhões de habitantes e seu consumo de energia per capita é cerca de 4 X superior ao do Brasil (o consumo per capita dos países pode ser visto nas tabelas dos Indicadores de Desenvolvimento Mundial, selecionando-se o país e o ano).

O Emirado de Dubai tem o ambicioso plano de de suprir 25% de sua demanda de eletricidade a partir de fontes limpas de energia até 2030, e 75% até 2050.  Para assegurar o cumprimento dessa meta, o governo do emirado anunciou há poucos dias (fevereiro de 2016) um plano de incentivos à micro-geração distribuída de energia fotovoltaica.

O Emirado de Dubai já foi um grande produtor de petróleo, mas o pico da produção se deu em 1991 e vem declinando desde então.  A exaustão dessas reservas deve ocorrer até meados da década de 2030.  Hoje, o Emirado já é um importador de combustíveis fósseis.

Com os recursos do petróleo, os Emirados Árabes Unidos vêm investindo, há tempos, em educação de alto nível, pesquisa e desenvolvimento sustentável – com ênfase no Instituto Masdar, onde há parcerias com o Massachusetts Institute of Technology e grandes empresas multinacionais.

***

“A Idade da Pedra não acabou por falta de pedras, e a Idade do Petróleo terminará muito antes de que os combustíveis fósseis estejam exauridos” – a frase foi dita pelo sheik Ahmed Zaki Yamani, ministro do petróleo da Arábia Saudita de 1952 a 1983.  A ele é atribuído a estratégia que levou ao primeiro embargo do petróleo, com a explosão dos preços e o enriquecimento dos grandes produtores.

Ahmed Zaki Yamani graduou-se em Direito pela Universidade do Cairo em 1951, depois concluiu o mestrado na Universidade de Nova York em 1955 e, no ano seguinte, graduou-se novamente em Direito pela Universidade de Harvard.]

Ou seja, não era exatamente um “ambientalista”.  Mas ajudou muito a deixar claro para os ricos países árabes que era preciso investir no futuro.

Nada como ter capacidade de planejamento de longo prazo e investir na educação de alta qualidade.