ONS e CHESF demonstram despreparo ou irresponsabilidade mesmo

De repente, a vazão de um rio passa de 550 m³/segundo para 1.000 m³/segundo.  E sai inundando tudo rio abaixo, com perdas para a população ribeirinha.  Não é a primeira vez que isso acontece, mas uma estatal do governo – a CHESF – acusa um órgão do mesmo governo – o Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS, que teria dado uma ordem “emergencial”.  No marasmo geral em que o país se encontra na área de políticas públicas, a notícia passou meio desapercebida.  O  ministro de Minas e Energia não foi questionado e nem se pronunciou.  Ganha uma passagem para Petrolina quem souber o nome de memória e algo da experiência dele no setor energético.

Continuar lendo ONS e CHESF demonstram despreparo ou irresponsabilidade mesmo

Agência Nacional de Águas – ANA: a Mentira e a Fragmentação das Informações – II

Uma das formas de mentir é fragmentar a informação de maneira a que se evite a compreensão ou sequer a percepção do conjunto de uma situação qualquer.

Desta vez, a mentira foi tentar evitar os problemas da seca – cuja responsabilidade foi atribuída pela “tal da ANA” à má gestão do governo de São Paulo – fosse percebidos em sua totalidade.  Assim, a “tal da ANA” – presidida por um sindicalista que do assunto só entende a oportunidade eleitoral – deixou parte fundamental do problema maior por conta do Operador Nacional do Sistema – ONS (que a esmagadora maioria da população não conhece mesmo, e sequer usa a palavra “água”: o nível crítico de muitos reservatórios, que pode comprometer não apenas o abastecimento humano como também a geração de eletricidade, levando a um “apagão” como ocorreu no passado.

E aí, “dona ANA”. de quem seria a responsabilidade, por exemplo, se a Usina Hidrelétrica Mascarenhas de Moraes tiver que ser desligada?  De Furnas, do Operador Nacional do Sistema, do governo federal ou da própria ANA?

E os níveis baixíssimos ou críticos de algumas usinas do rio São Francisco, assunto sobre o qual a grande imprensa governista (O Globo e Folha de São Paulo) tem silenciado, é de responsabilidade de quem?   O fato do reservatório da Usina de Três Marias, cuja capacidade de geração corresponde a 31% da região nordeste, estar com apenas 3,37% de sua capacidade será levado à conta de um partido político, “dona ANA”?

Diante de um quadro de extremos climáticos que já ocorre no mundo inteiro, o Brasil se preparou muito mal no que se refere à segurança energética, em particular micro-geração distribuída com tecnologias que vâo da energia solar fotovoltaica às células de combustível.  E a responsabilidade principal é do governo federal, via ANEEL, que só recentemente permitiu a alimentação de redes de baixa e média tensão com eletricidade gerada com o uso dessas tecnologias, sem estabelecer regras e procedimentos administrativos claros, ou seja, deixando o micro-gerador refém das concessionárias.

“Dona Ana” – pede para sair!

***

Essa parcialidade eleitoreira de um órgão que deveria ser exclusivamente técnico não exime os governos de São Paulo e do Rio de Janeiro de responsabilidades, a maior delas sendo deixar a questão da meteorologia e das abordagens inovadoras para o uso eficiente da água por conta das concessionárias estaduais retrógradas, pesadas, habituadas apenas à mesmice.

 

 

 

 

 

Agência Nacional de Águas – ANA – Símbolo Maior de Inércia na Gestão de Águas e Uso Eleitoral do Órgão Público

O obscuro sindicalista Vicente Andreu tornou-se presidente da abúlica Agência Nacional de Água – ANA apenas em função de indicações partidárias.  Compadrio 10, qualificações zero!

Agora, às vésperas das eleições para a presidência da república, ele resolveu fazer uso de seu cargo para tentar atribuir ao governo de São Paulo a responsabilidade por uma seca que coloca o abastecimento público de água em grave risco – com iguais riscos para a ordem social e econômica.  Alguns, como ele, acreditam que o cargo lhes dá dignidade e não que lhe caberia dar dignidade ao cargo.  Tecnicamente inerte e à frente de uma agência abúlica, o “presidente” da ANA criticou a gestão do “sistema Cantareira” pelo governo estadual de São Paulo.  Leu alguns números pinçados por seus assessores e mais não disse, até porque mais não sabe.

Não sabe, por exemplo, explicar o que fez a ANA quando os níveis dos reservatórios desse sistema começaram a cair, isto é, se sob a sua “liderança” a ANA cooperou com o governo do estado na elaboração de um plano B, de um plano de contingência para uma situação emergencial, ou se usou de seus conhecimentos para prever o que iria acontecer no caso de uma estiagem mais prolongada.

A gestão da crise pelo governo de São Paulo foi e continua sendo péssima porque conduzida pela concessionária de água e esgoto que, como no Rio, faz apenas o arroz com feijão, muito mal e porcamente: captam água para vender e tentam cobrar atitudes dos consumidores, ainda que seus níveis de perdas técnicas e comerciais sejam elevadíssimos.

Nada de equipes de hidrólogos, engenheiros com visões de alternativas diversas, e ainda menos de meteorologistas.  Afinal, o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, que poderia fazer alguma previsão sobre chuvas no médio prazo ou dizer algo sobre a duração da estiagem, ao que parece anda proibido de falar.  E o “cumpanhero” Vicente Andreu não deve sequer saber de sua existência, de suas atribuições, do nome de seu presidente – e assim não conseguirá mostrar uma troca de emails entre ambos ou indicar a ocorrência de um encontro ou telefonema para pedir apoio.  Se não tem política eleitoreira em jogo, não interessa que existam outros órgãos do governo fedearal que deveriam ser ouvidos.

Se o uso da segunda cota do sistema Cantareira pode ser classificada como uma pré-tragédia, a falação vazia do “seu Vicente” e a omissão persistente da ANA em questões de previsão de disponibilidades hídricas e de conservação desse recurso no Brasil não a credencia para fingir que está dando assistência a países caribenhos.  “Seu Vicente” – para quando está previsto o colapso dos primeiros reservatórios responsáveis pela geração de energia elétrica no Brasil se a atual seca se prolongar?  Ou qual foi a assistência prestada aos governos estaduais e à iniciativa privada brasileira no que se refere às restrições à navegação para escoamente de produtos em decorrência desses extremos climáticos?

“Seu Vicente”, o sindicalista, nesse cargo, o senhor não é a “pré-tragédia”, mas a tragédia em marcha.  Afinal, a seca já se estende a várias regiões de Minas Gerais – incluindo as nascentes do rio São Francisco – e logo se ampliará no Rio de Janeiro.  Fora as centenas de municípios do Nordeste com secas que se repetem em ciclos cada vez mais curtos.

Isso para não falar na anemia administrativa aguda da pesada estrutura do tal Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRH!

Nenhum deles deve saber – ou prefere ocultar – que a California encontra-se em crise semelhante há três anos, que os cientistas convocados pelo governador desse estado norte-americano para examinar a crise já declararam que eles não sabem quanto tempo ela poderá durar (quem não sabe alguma coisa entre os especialistas como seu Vicente?), que os EUA realizaram em setembro o seu 29º Simpósio Anual Sobre Reuso de Água e a página para o próximo simpósio já está ativa (esses são simpósios nacionais – há, também, os estaduais, os por setor da indústria de mais alto consumo de água e os voltados para os avanços tecnológicos).  Não devem saber, tampouco, talvez por se orgulharem de serem “monoglotas”, que diante dos extremos climáticos simpósios sobre reuso de água estão sendo realizados em muitos países, entre os quais o Vietnam, o Chile, a China e a Índia.

Dilma Pena, presidente da SABESP, já pediu sua exoneração.  Agora é a sua vez, seu Vicente!  Seu Vicente, pede para sair (desse “emprego”)!

***

Já é tempo dos governos estaduais e municipais agirem sem ficar esperando pela ANA e por seu Vicente.  Uma rápida articulação para a importação de equipamentos de osmose reversa para purificação de água potável -, para a produção em escala comercial da máquina brasileira que “fabrica água” e outras iniciativas simples podem evitar que os chineses dominem rapidamente esse mercado e acabemos pagando royalties e aumentado o deficit da balança comercial.

Além disso, o que é mesmo que a tal da ANA, MMA, a CETESB e a SABESP fizeram nos últimos anos para melhor conhecer, proteger, e utilizar ou considerar a possibilidade de utilização do Aquífero Guarani num ciclo de extremo climático como o que está castigando algumas das regiões que talvez pudessem ter acesso a essas reservas?

Reuso de Água – Avanços nos Países Sérios, Lerdeza e Politicagem no Brasil

O condado de Orange, na Califórnia, já tem a maior estação de tratamento e reúso de esgoto do mundo, com a capacidade um pouco acima de 3 m³/s (metros cúbicos por segundo) , já em fase de ampliação para quase 4,5 m³/s, com investimentos de R$ 310 milhões.

Durante a fase anterior à atual seca, a estação de tratamento já foi concebida para recarregar o lençol freático, mantendo os seus níveis constantes.  A reinjeção de água no subsolo assegura a recarga da água subterrâenea e impede a salinização das águas subterrâneas e para abastecer uma população adicional equivalente a 250.000 habitantes.

Os responsáveis pelo abastecimento de água do condado afirmam que há muito já não vêem o esgoto como um problema, mas como um recurso que precisa ser aproveitado.  “Nós temos que ter o controle de nosso destino” – afirma um dos responsáveis pelo projeto ao final do curto vídeo que pode ser visto aqui.

Ainda não existindo regulamento na Califórnia que permita o reuso da água para fins de potabilidade, o projeto está sendo concebido para assegurar níveis de potabilidade, através da tecnologia conhecida como osmose reversa (o Brasil ainda não produz as membranas para esse tipo de tratamento, e nem detem a tecnologia para esse tipo de reuso de água; a produção local de membranas é incipiente e a maioria das membranas são importadas).  O sistema usado nessa estação de tratamento remove até mesmo os sais minerais, compostos farmcêuticos, bactérias e vírus.

Para elaborar o projeto – como lá não há empreiteiras no comando desse tipo de iniciativa -, os engenheiros calcularam os custos de energia para todo esse tratamento é de cerca de 50% do que seria necessário para bombear a água de uma região do estado para a outra e de cerca de 30% do que custaria para dessalinização de água do mar.

Os cientistas californianos já admitem que a atual seca, antes historicamente excepcional, pode ser o “novo normal” (new normal) em decorrência das mudanças climáticas.

Enquanto isso, o governador Geraldo Alckmin, a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo – ARSES e a própria SABESP só pensam em grandes obras para trazer água de um rio para o outro, sem apresentar qualquer estudo de alternativas de longo prazo, inclusive para fins de recarga do lençol freático.  Por outro lado, a presidente Dilma faz acusações indiretas, fingindo esquecer que o governo federal tem um Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRH e uma Agência Nacional de Águas – ANA que pouco ou nada fizeram para promover o reúso de água ou mesmo para auxiliar na elaboração de planos estratégicos de abastecimento de água.  Politicagem de quinta categoria!

Felizmente, diversas iniciativas de todos os tamanhos já estão sendo tomadas no Brasil para assegurar o reúso de água, ainda que sem apoio das grandes concessionárias que continuam interessadas em vender água.

É urgente a formulação e a implantação de políticas públicas de implantação de projetos de reúso pela iniciativa privada, já que do setor público espera-se mesmo bastante pouco, exceto quando interesses de grandes empreiteiras estão envolvidos.

***

O download de um excelente documento (em inglês), publicado em 2012, intitulado  Reúso de Água – O Potencial para Expandir o Abastecimento de Água da Nação Através do Reúso dos Esgotos Municipais, merece uma leitura – ainda que rápida – ao menos para mostrar como estão procedendo os países sérios, senão para uma leitura mais detalhada.  Encontra-se disponível no link para download gratuito.

 ***

Depois de publicado este artigo, até a Operadora Nacional do Sistema – ONS, com atuação no setor de eletricidade, entrou nessa politicagem de baixarias e ocultações.  Aproveita-se das medidas tomadas pelo governo de São Paulo para dar palpites sobre os riscos de abastecimento de água para cidades do estado do Rio de Janeiro.  Assim, evita falar sobre o baixíssimo nível de outros reservatórios – como os do nordeste do país.  A ONS é a mesma que atribuiu vários apagões regionais à queda de raios e/ou abriu investigações que nunca levaram a lugar nenhum (ou cujos resultados nunca foram divulgados).