Segurança Alimentar – Brasil X Países Sérios e Realidades Preocupantes

Normalmente, a Inglaterra exporta 2,5 milhões de toneladas de trigo.  Este ano, terá que importar uma quantidade equivalente do cereal.  Segundo uma analista senior do Conselho de Desenvolvimento da Agricultura e da Horticultura citada em reportagem do The Guardian, “o mais chuvoso outono desde o início dos registros climáticos no país seguido da primavera mais fria foram a causa da devastação da colheita de trigo”.  No título da reportagem do The Guardian, “os fazendeiros falharam em alimentar a Inglaterra depois que o clima extremo atingiu o colheita de trigo”.

“À reduzida colheita de trigo se adicona a preocupação crescente com a a produtividade por hectare que os fazendeiros britânicos podem alcançar.  (…)  Outras culturas foram duramente atingidas pela severidade do clima.  (…) O açúcar de beterraba, que é cultivada em 125 mil hectares principalmente no leste da Inglaterra, foi atingido por um estranho fenômeno que paralisou a germinação de sementes e reduziu a produção em 50%”.

De acordo com o órgão ambiental da Inglaterra denominado Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais (Departamento = Ministério, um órgão sério para assuntos internos mas que se dispersa bastante com preocupações sobre a Amazônia e a caça de elefantes na África, no velho estilo colonialista), afirma que “apenas agora é possível perceber o pleno impacto do forte inverno, com uma queda na renda da cultivo agrícola apresentando um decréscimo de US$ 1, 15 bilhão”, ou mais de R$ 2,3 bilhões.

No mesmo período em que a Inglaterra divulgava informações sobre os impactos do clima sobre a produção interna de alimentos, um relatório conjunto da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OECD e da FAO, divulgado inicialmente numa conferência em Pequim, prevê uma redução significativa na taxa de crescimento da produção de alimentos, que deverá passar de 2,3% ao ano como ocorreu no período 2003-2012, para 1,5 ao ano, no período 2013-2022.

“Enquanto os estoques de alimento nos maiores países produtores e consumidores continuarem baixos, amplifica-se o risco da volatilidade de preços.  Uma nova seca das proporções da que ocorreu em 2012, aliada aos baixos estoques, poderá elevar os preços dos alimentos entre 15% e 40%” – afirma o relatório.

A FAO costuma adotar linguagem diplomática e limitada às projeções de produção e consumo de alimentos, deixando os fatores causadores de uma potencial e provável escassez para outros organismos e pesquisadores.

Assim, vale notar que pouco antes – em abril de 2013 – a Convenção da ONU para o Combate à Desertificação divulgou o relatório de sua Segunda Conferência Científica sobre o tema, sob o título de Avaliação Econômica da Desertificação, Gestão Sustentável de Terras e Resiliência das Regiões Áridas, Semiáridas, e Sub-úmidas Secas, no qual indica que 168 países defrontam-se com severos problemas de degradação dos solos.  A última avaliação desse tipo, divulgada em meados dos anos 1990, reportava esse tipo de problema em 110 países.  Um aumento significativo.

Segundo o estudo, os custos anuais da degradação de terras e desertificação já são da ordem de US$ 490 bilhões por ano e as áreas atingidas crescem a uma taxa de 120 mil km2 anuais, ou o equivalente a duas Suíças.  As principais causas desse fenômeno são a seca, as mudanças climáticas, a agricultura intensiva e às más práticas de irrigação.

O Brasil encontra-se entre os líderes mundiais em conservação dos solos por iniciativa e pelo trabalho persistente de disseminação dos próprios produtores rurais que, no passado, adotaram e difundiram o conceito de “plantio direto”, mantendo a cobertura do solo com a palha o que evita a erosão e assegura a recarga dos aquíferos subterrâneos e a vazão dos rios (a agricultura brasileira alcançou essa posição sem apoio do governo federal).

Enquanto os paises sérios e organizações internacionais se preocupam com a segurança alimentar, o Brasil se dilacera na demonização dos produtores rurais e na falta de soluções para as já imensas áreas de reservas indígenas, que correspondem a cerca de 12% do território para menos de 1% da população (sendo que uma parcela considerável vive em cidades).  São terras improdutivas nos termos da caótica “política indigenista” brasileira que as quer intocadas, sem dar aos indígenas autonomia para usá-las como quiserem.  Hoje, no Brasil, já são mais de 110 ha por (auto-denominados) índios.

Isso para não falar na insistência marqueteira em criar novos parques nacionais e outras unidades de conservação – que já chegam a 35% da Amazônia – nos quais não há infraestrutura para visitação (ou ela é limitada a uma fração irrisória da área) ou de pesquisa, para não falar de um mínimo de capacidade de planejamento e gestão.

***

Para os que se interessam pelo tema – e, em especial, para os mais céticos – sugere-se o excelente documentário de Ken Burns sobre a mais duradoura seca já ocorrida na maior região produtora de grãos dos EUA, que se iniciou em 1935 e durou quase uma década.

Um resumo em português do fenômeno que ficou conhecido como Dust Bowl pode ser encontrado na Wikipedia.

 

Código Florestal X Produção de Alimentos – Marina Silva, Mini-Sarney e o Partido dos Sem-Noção – PSN

Uma pat0ta de crentes ignorantes associada a moleques de grandes ONGs estrangeiras dos tapetões tenta disseminar noção de que a produção de vinhos do Rio Grande do Sul e a produção de café de Minas Gerais – entre outras – não passam de “passivos ambientais” porque estão em “topo de morro”.

Ainda que a ciência não tenha qualquer definição sequer para o que é “morro” – além de uma elevação do terreno, para fins de topografia -, no imaginário desses palpiteiros os “topos de morro” deveriam ser áreas de preservação permanente, um sem fim de “montanhas sagradas” – quem sabe no mundo de Harry Potter.

Escondem-se atrás da comparação com a produtividade da pecuária de países como os EUA, ocultando, é claro, que lá o gado bovino jamais vê um pasto em sua curta vida, é produzido em “campos de concentração” (cattle feed operations ou operações de alimentação de gado) onde é alimentado com milho, hormônios de crescimento e antibióticos, e que esse milho resulta de uma agricultura intensiva em combustíveis fósseis, pesticidas e sementes transgênicas.

Enfim, deixando os ongolóides* endinheirados de lado, vamos ao que interessa: a segurança alimentar!

Usando os índices da FAO, foram estabelecidas correlações entre esses preços de alimentos e instabilidade social, incluindo verdadeiras guerras civis.  Os especialistas acreditam que a rápida elevação dos preços dos alimentos que ocorreu a partir do período 2004-2006 veio para ficar e resulta de fatores já demasiadamente conhecidos.  Nos atuais patamares, a ocorrência de fome e de violência social em diversas regiões do mundo são inevitáveis.

A tentativa populista de acreditar que esses aumentos resultaram apenas da especulação financeira no mercado de commodities já foi para o brejo.  O crescimento da população, as mudanças nos padrões de consumo de alimentos na China e em outros países, a competição pelo uso da terra para a produção de alimentos, de biocombustíveis e de produtos madeireiros e outros fatores sugerem que os preços dos alimentos não voltarão aos patamares anteriores e até atingirão níveis mais elevados.

Essas afirmações encontram-se num relatório do Instituto de Sistemas Complexos da Nova Inglaterra (EUA), instituição responsável por trabalhos relevantes, incluisive em cooperação com o Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT), o primeiro a colocar a questão dos Limites para o Desenvolvimento (relatório que motivou a Conferência de Estocolmo de 1972).

E a turma aqui – incluindo governo e parlamentares brasileiros – perdendo tempo com divagações sobre a “reserva legal”, ainda que o país continue sem qualquer indício de uma política de segurança alimentar além da importante mas demasiadamente superficial bolsa-família.  Até Houston, no Texas, talvez a mais importante capital mundial das petroleiras, já tem, há muito, uma política séria de segurança alimentar!

***

* – A referência a “ongolóides” restringe-se a um pequeno grupo de grandes ONGs – em particular estrangeiras – auto-denominadas ambientalistas e outros eco-fascistas que apeasr de muito falarem em “sócio-ambiental” desprezam radicalmente a presença humana em qualquer lugar.  Há excelentes trabalhos de ONGs – ou, melhor dizendo, da sociedade civil organizada – ocorrendo nos mais diversos pontos do Brasil e do mundo.

 

EUA X China – Uma Nova Guerra Climática, na Líbia, por Água e Alimentos

Há fatos curiosos sobre a Líbia (além do súbito desaparecimento das fabulosas quantias investidas por Kadaffi nos EUA): imensas reservas de água!  No subsolo de quatro países africanos – Chade, Egito, Líbia e Sudão – encontra-se o maior reservatório de água fóssil do planeta: o Sistema Aquífero de Arenito da Núbia (NSAS na sigla em inglês).  Essas reservas de água se espalham por 2 milhões de quilômetros quadrados e estima-se que totalizem 150.000 quilômetros cúbicos de água.

“As razões pelas quais os Estados Unidos lançaram as forças da OTAN pare forçar uma mudança do regime político da Líbia começam a ficar claras.  Enquanto especialistas da mídia e da política ainda discutem se as gangs rebeldes estão sendo apoiadas por serviços de inteligência dos EUA, da Inglaterra e de Israel, os objetivos de longo prazo do Ocidente em relação à Líbica ainda continuam sendo ignorados.” – escreveu Patrick Henningsen, do excelente jornal eletrônico  21st Century Wire, que tem como lema “Notícias para uma geração que desperta”.

O título da análise vai direto ao ponto: “Oeste X China: Uma Nova Guerra Fria Começa em Solo Líbio.”

“Basta ler os resumos dos documentos estratégicos do Comando EUA-África (conhecido com o AFRICOM para se dar conta do verdadeiro objetivo ocidental na Líbia: o controle de recursos valiosos e a expulsão da China do norte da África.  Quando os Estados Unidos formaram o AFRICOM em 2007, 49 países subscreveram à estratégia militar norte-americana para a África, à exceção da Líbia.  Essa decisão foi considerada uma traição e abriu caminho para o conflito militar que se iniciou em 2011. “

Ou alguém acha que de repente o governo dos EUA passou realmente a se interessar por democracia e direitos humanos na África?

Segundo a aprofundada análise de Henningsen, “a Líbia poderia começar um agro-negócio similar ao do Vale de São Joaquim, na Califórnia.  Como a Líbia, a Califórnia é essencialmente um deserto, mas com massivos investimentos em estruturas hidráulicas e irrigações o vale desértico se transformou no maior produtor mundial de alimentos e de algodão, a na nona maior economia do mundo”.

Em 1983, Kadadi deu início a um mega projeto de irrigação que foi objeto de ampla divulgação com a designação de “Grande Rio Feito pelo Homem”, GMMR – na sigla em inglês.  Inicialmente, o projeto destinava-se a levar mais de 5 milhões de metros cúbicos de água para as cidades na costa da Líbia.

Ivan Ivecovic, professor de ciência política na Universidade Americana do Cairo explica que o projeto completo foi concebido para ser desenvolvido em 4 fases, com um custo estimado de US$ 30 bilhões, uma rede de tubulações de 5.000 quilômetros transportando água de mais de 1.300 poços de 500 metros de profundidade, destinando-se ao abastecimento de população de ao rápido aumento da disponibilidade de terras agriculturáveis.

De acordo com o Ministério do Comércio da China, o país tinha 50 grandes projetos em negociação ou já em desenvolvimento com a Líbia, num montante superior a US$ 18 bilhões.  Com a instabilidade desencadeada pelos EUA na região, esses contratos despencaram ladeira abaixo: apenas nos dois primeiros meses do ano, uma redução de 97% dos investimentos chineses previstos na Argélia.

A ditadura de Kadafi começou em 1969.  Durante esse tempo todo, ele circulou livremente pelo mundo.  De repente, com os novos projetos de desenvolvimento em escala massiva de terras agriculturáveis com base nas disponibilidades de água e os avanços dos investimentos chineses, EUA e Inglaterra acordaram para a necessidade de “restabelecer a democracia” no país.

Essas já são guerras climáticas, para o controle de recursos naturais.  Ou das “riquezas”, como sempre ocorreram.  A Europa sabe que aquela região pode se transformar numa importante de alimentos e de água.

 O texto integral do editor do editor do jornal online “para as gerações que estão despertando” pode ser lido no original em inglês clicaando em 21CenturyWire e os documentos da aliança espúria de países africanos liderada pelos EUA podem ser acessados em Comando Africano.

***

O Brasil continua sem uma política de segurança alimentar, sem estratégias para os recursos hídricos por região, e se espojando nos debates estéreis sobre uma lei que resolveram chamar de “código” e só define conceitos abstratos genéricos que permitem ao poder público a mais total omissão em relação ao que se deveria fazer, onde e como.