Cidades Históricas – Paraty – As Imagens “Divertidas” e as Iniciativas Pioneiras

Amigos da Associação Pro-Mamanguá Paraty (link só acessível através do Facebook), que vem desenvolvendo um excelente trabalho nna região, enviam ao autor deste blog boas e más notícias (e imagens).

Primeiro, a má notícia, para que o sabor da boa fique na boca após a leitura: a “acessibilidade” no município tombado pelo IPHAN é uma piada, como se pode ver abaixo.

 

Kimy

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Piada péssimo gosto, é claro!

A atenção do autor da foto foi despertada por um artigo comparando o pavimento das cidades histórias brasileiras e européias comparando as políticas e iniciativas do IPHAN – o conservadorismo frequentemente tolo – com o que se faz por lá.   Além da acessibilidade mal aplicada em decorrência desse tipo de conservadorismo, a imagem mostra a formação de poças d’água, indicando a péssima qualidade da drenagem, impossível com esse tipo de pavimento (que até poderia ser mantido em um ou dois trechos de ruas).

Do lado positivo, ultra-positivo, um barco com motor elétrico e a eletricidade gerada por painéis solares.

 

Kimy - Barco Solar - Paraty.webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoiando o projeto estiveram a Eletronuclear, a uma distribuidora de baterias, uma loja de madeiras (o barco foi fabricado com madeira impregnada com epóxi) e a Prefeitura municipal.

À frente do projeto, o físico Allan Reid, formado em Campinas e com mestrado em planejamento energético na COPPE/UFRJ, que contou com o apoio de alguns dos professores da instituição.

Explica Allan que os motores de 2 tempos (2T) ainda amplamente utilizados por pequenas embarcações no Brasil são altamente ineficientes e jogam na água cerca de 20% do total do combustível consumido – gasolina ou óleo -, bastante mais do que os motores de 4 tempos já utilizados na Alemanha e e outros países europeus, bastante mais eficientes e menos poluentes (motores a combustão interna são muito ineficientes e só transformam em energia cerca de 30% do poder energético total dos combustíveis fósseis).

No Brasil, não temos a produção nem dos painéis solares e nem dos motores elétricos utilizados no protótipo mostrado na imagem, no qual foram utilizados dois motores auxiliares… importados.

Vale ressaltar que o Brasil exporta silício com baixo grau de pureza e importa células, já nos painéis, que necessitam de silício com alto teor de pureza.

Falar em política de eficiência energética e em gestão ambiental no Brasil não deixa de ser “divertido”.   Onde está o apoio e a promoção para a fabricação local desses equipamentos, e até mesmo a obrigatoriedade de seu uso – a começar pelos ambientes lagunares – para que se crie o mercado?

De toda forma, com um mínimo de estímulo por parte das autoridades, motores elétricos para embarcações poderiam ser produzidos no Brasil e teriam grande utilidade até mesmo sem a utilização de painéis solares (que encarecem as embarcações), já que a maioria das viagens é de curta duração e os pontos de recarga das baterias poderiam estar nas proximidades das áreas de embarque e desembarque de passageiros.

Só mesmo a muita garra de jovens cientistas e o dinamismo do mercado para transformar essa realidade, ainda que com equipamentos importados (ssem desoneração tributária, usualmente parte da política de “criação de mercados” de interesse nacional e/ou público nos países sérios.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cidades Históricas: Brasil X Itália – O Conservadorismo do IPHAN – Um Passeio Visual

As cidades históricas brasileiras não estão preparadas para o turismo em larga escala – em particular para o turismo internacional – por diversas razões, entre as quais o tipo de piso que torna difícil, dificulta ou mesmo impede as longas caminhadas dos visitantes e até da população local.  O visitante dá topadas, corta o dedão do pé se tiver com sandálias abertas em dias de calor, e caminhar é um problema  mesmo para os jovens, que têm que fazê-lo como na música de Chico Buarque, “Apesar de Você”, onde se diz “a minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão”.  Olhar para o chão onde se deveria poder contemplar a arquitetura e céu não é bom. Torce o pé, menos ainda.

É assim na maior parte das cidades brasileiras, mas muito pior naqueles onde o conservadorismo obsoleto do IPHAN quer que os pisos se mantenham como eram na época do Brasil-Colônia.

Abaixo, duas imagens de Tiradentes, em Minas Gerais.

 

webpequena.Tiradentes.final

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É interessante que essa mentalidade tacanha do IPHAN se mantenha mesmo em Tiradentes, onde, no passado pelo menos uma área foi recuperada com pavimentação adequada à visitação – o Largo das Forras – uma lindíssima praça na qual se encontram algumas das mais belas atrações arquitetônicas da cidade.  O projeto foi doado por Roberto Burle Marx à Prefeitura e teve a sua implantação concluída em 1990 (foto em detalhe abaixo).

 

webpequena.Tiradentes praça Burle Marx

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora, Tiradentes tem a oportunidade de refazer o piso de seu centro histórico por dispor de verbas para a renovação de sua infraestrutura subterrânea.  Mas não há indícios de que o IPHAN aceite sequer trocar ideias sobre abordagens há muito já adotadas nas cidades históricas da Alemanha, da França ou da Itália, que são locais de visitação maciça de turistas de todas as nacionalidades.  Antiquado, o IPHAN quer que as pedras originais sejam recolocadas (se possível com os mesmos desníveis).

Abaixo, imagens do tipo de piso da famosa cidade medieval de Assis, totalmente renovada após terremotos que a destruíram em 1997, e que hoje recebe, novamente, milhões de turistas e peregrinos a cada ano (à esquerda) e de trechos do piso de San Gimignano (à direita), ambos em trechos no interior das muralhas medievais.

 

Blog - Assis - webpequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Até mesmo as escadarias que levam ao topo de Assis, onde se situa a fortaleza denominada Rocca Maggiore, edificada no século XII, é de fácil acesso, como se pode ver abaixo.

 

?????????????
?????????????

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Também o pavimento em frente à Basílica, onde se reúnem anualmente, durante cerimônias, dezenas de milhares de turistas e fiéis (abaixo) é impecável.  O piso não poderia ser, é óbvio, o mesmo da época em que São Francisco de Assis ali construiu, no século XIII, uma conhecida e pequeniníssima capela, que se encontra no interior da Basílica.

?????????????
?????????????

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em todos os casos, não há vestígios de desníveis nos pavimentos, permitindo a caminhada tranquila por visitantes de todas as idades, mulheres grávidas, mães com filhos pequenos, deficientes físicos em cadeiras de rodas, etc.  Em todos os casos, o caimento para os bueiros que coletam as águas pluviais é perfeito e não se formam poças d’água após as chuvas ou a lavagem das ruas.

O mesmo acontece em toda Florença (fotos abaixo).

 

Florença.web pequena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ou será que alguém pensaria em manter as características originais do piso de Florença como eram nos séculos XIII ou XIV para receber turistas ou mesmo para os habitantes da cidade?

No Rio de Janeiro, abordagens semelhantes já foram adotadas em áreas de patrimônio histórico preservadas ou recuperadas, como em trechos da área conhecida como Corredor Cultural na cidade do Rio de Janeiro.  Em alguns trechos, foram feitas novas calçadas com material semelhante ao usado nas cidades italianas ou em pedra mesmo, mas recortada com tecnologias modernas e simétricas.

Nas fotos abaixo, à esquerda, um trecho em frente ao um famoso e antigo restaurante; à direita, algo feito pelo poder público, por alguma empreiteira que não se preocupou em fazer uma sub-base e um caimento adequado, o que leva a água a formar uma grande poça a poucos centímetros do bueiro onde deveria se dar a drenagem.

 

Corredor Cultural - Rio Minho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Afinal, IPHAN, nenhuma chance de novas ideias, mesmo como já consagradas em países com cidades muito mais antigas em países com patrimônio histórico de imensa importância?  Afinal, vocês andam sofrendo de “escassez de ideias”?

 ***

A situação em cidades históricas como Paraty e Ouro Preto é bem pior.  Na primeira, porque as pedras originais têm bordas cortantes; na segunda, em decorrência da topografia, com muitas ladeiras.

***

Comentários e imagens de pessoas que conhecem essas e outras cidades históricas são bem-vindos.

Nota  – Todas as fotos são do autor dos artigos do blog.  Nenhuma foi simplesmente capturada na internet.