Dissemina-se o uso de água residuais e de escorrimento superficial (chuvas) para a recarga de aquíferos

Dissemina-se o uso de águas residuais – depois de tratadas – e de água de chuva para a recarga de aquíferos subterrâneos, aumentando as disponibilidades e a segurança hídrica.  Essa prática, velha conhecida em países como a Alemanha – onde é fonte de 2/3 do abastecimento público -, acaba de ser objeto de um estudo bastante amplo elaborado pela Academia Nacional de Ciências dos EUA – e publicado pela sua editora, encontrando-se disponível para download gratuito mediante uma inscrição simples que não requer mais do que o endereço eletrônico e uma senha (o campo com o uso a que se destina o download é facultativo).

Para os que interessam pelo assunto – segurança no abastecimento de água -, recomenda-se a leitura ao menos do Sumário Executivo e dos títulos dos capítulos.

Há anos, a Finep, com apoio da CEF e de outros órgãos, vem promovendo bons estudos sobre temas relacionados às alternativas de reuso de esgotos sanitários para diversas finalidades econômicas, e já é tempo de estimular esse tipo de reuso, assegurados bons níveis de tratamento e desinfecção.  Mas, além da linguagem e do formato excessivamente acadêmicos – tais documentos se iniciam com longas listas de nomes de autores -, até agora houve pouca ou nenhuma aplicação prática de suas conclusões.  Ainda assim, já é hora de se considerar a recarga de aquíferos com águas de escorrimento superficial – chuvas – como algo mais sério para aumentar a segurança hídrica, ao mesmo tempo que evita ou reduz enchentes e a subsidência dos solos urbanos, com seus elevados custos para a infraestrutura (como já se pode observar na região metropolitana de São Paulo).

No Brasil, o setor público caminha lentamente – quando caminha – em matéria de gestão de água.  E com pouca ou nenhuma transparência.  Apenas para exemplo, quem quiser folhear a descrição de um programa de US$ 143 milhões (isso mesmo, em dólares) com empréstimo do Banco Mundial no valor de US$ 107 milhões de dólares, pode se divertir.  Trata-se da descrição de uma árvore de Natal, envolvendo uma multiplicidade de órgãos do governo brasileiro (talvez a tal da “base aliada”) e sem que se encontre uma relação de resultados concretos… ainda que a finalização da apresentação do projeto tenha se dado em junho de 2011.  Conta a lenda que no quadro do projeto foi contratada uma “Política Nacional de Reuso de Água”.  Ou terá sido de esgotos?

Fora isso, vale notar que o Rio de Janeiro, a tal “Cidade Olímpica”, tem desde 2004, um muito bem elaborado decreto que regulamenta a retenção de água de chuva quando a houver impermeabilização de solos exatamente para evitar enchentes, assegurar a infiltração e recarga do aquífero, e abrir uma porta para o reuso dessas águas… que nunca foi levado a sério.  Ou alguém aí sabe de um conjunto de shoppings, supermercados, estádios de futebol e similares que tenham feito estruturas de retenção da água de chuva na fase de construção ou reforma, como determina o Decreto Municipal de 23.940, de 30.1.2004, que torna obrigatória a retenção das águas de escorrimento superficial e sua potencial utilização para reuso?  É esse o Rio que se diz “cidade resiliente” ou “cidade inteligente” (smart city)?

Não custa lembrar que com as mudanças climáticas as chuvas tendem a ser mais concentradas no tempo e as secas mais prolongadas.  Ou, como dizem os meteorologistas no mundo todo, o que era anormal já passa, aos poucos, a ser “o  novo normal”.  Nesse quadro, estratégias para a disponibilização de reservas de água são fundamentais.  A recarga dos aquíferos brasileiros é mais do que suficiente nas atuais condições climáticas.  Isso não significa que continue sendo por muito tempo, em função da contaminação e da impermeabilização das áreas de recarga.

 

Água – Agrava-se a Escassez – Avanços e Mesmices

A crise de água se estende a outros municípios de São Paulo.  Agora, estendeu-se de maneira acentuada a Bauru, gerando protestos bastante preocupantes.  Já são 13 os municípios de São Paulo em que está sendo feito o racionamento de água, que se estende, até agora, a 142 municípios no país., desde a região nordeste até o Paraná, além de Porto Velho, capital de Rondônia.  Isso tudo diante da quase total abulia das autoridades públicas em todos os níveis, apesar de muitos bons exemplos da iniciativa privada para contornar os problemas gerados pela escassez de água.  O ataso tecnológico do Brasil na área de reuso é evidente, mas não justificativa para a inação, em particular quando o pretexto é usado pela maior empresa estadual de águas do país.

Além disso, municípios podem e devem tomar muitas iniciativas para incentivar a captação de água de chuva – até mesmo para evitar a sobrecarga das redes de drenagem – e o reúso dessas águas e de muitas outras.  Afinal, o que um município como Bauru, que tem quase 100% de coleta de esgotos e todo o sistema na administração direta – Departamento de Água e Esgoto – e onde se pretendem implantar estações de tratamento de esgoto em parceria com a iniciativa privada, está esperando para incentivar o reúso e para projetar as novas ETEs já com previsão de reúso?

De fato, apenas como exemplo, na Califórnia, que já experimentou secas de até 50 anos – mesmo antes dos atuais extremos climáticos -, o pensamento e as iniciativas avançam em todas as frentes, desde avanços tecnológicos (ainda que seja com a redução de custos de tecnologias já disponíveis, para disseminá-las – até a implantação de projetos variados mesmo que “apenas” usando um elevado nível de tratamento de esgotos domésticos para a recarga do lençol freático.

Em abril deste ano, o Centro para Ciências de Bacias Hidrográficas da Universidade da Califórnia coordenou um concorrido encontro intitulado “Cúpula da Seca“, numa excelente interação entre cientistas, pesquisadores e autoridades públicas.

“Nós não podemos fazer chover, mas estamos fazendo todo o possível para responder à seca”, afirmou Barbara Allen-Diaz, vice-presidente da Universidade da California para agricultura e recursos naturais.  Já a SABESP contratou, por duas vezes, uma empresa para “fazer chover“.

Lá, os cientistas já avançaram na direção da paleontoclimatologia – o estudo do clima no passado remoto – e recuaram no tempo por 1.000 anos.  A análise das taxas de crescimento e vida das árvores os permitiu saber que no século XII ocorreu uma seca que durou 50 anos.

Mas não ficam por aí!  Um dos cientistas do Centro de Ciências de Bacias Hidrográficas da Universidade da California declarou, durante a Cúpula da Seca que “não conseguiremos fazer com que a Califórnia seja à prova de secas e para conviver com elas teremos que conviver com elas e aprender a tirar o máximo de cada gota de chuva”.

A gestão das águas subterrâneas está entre as prioridades.  “A Califórnia deve começar a pensar na recarga dos aquíferos subterrâneos durante os anos chuvosos” – afirmou Ruth Langridge, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, que está conduzindo estudos sobre a criação de áreas para a recarga desses aquíferos em Sonoma, Monterrey e Santa Cruz.

Na Alemanha, os primeiros sistemas de recarga dos aquíferos subterrâneos começaram a ser projetados logo após a II Guerra Mundial.   Atualmente, já se encontra implantado no município de Orange, na California, um sofisticado sistema desse tipo, conhecido pela sigla GWRS, capaz de abastecer uma população de 600.000 habitantes (para os interessados, vale uma visita à página na internet, clicando sobre a sigla).

A agricultura é a atividade econômica que mais consome água – cerca de 40%, quando considerados os grandes usuários -, mas aí não há mais muito espaço para ganhos de eficiência, já que a maioria dos produtores agrícolas já utilizam sistemas de irrigação por gotejamento.

No Brasil, há muito o que fazer em todas as áreas relacionadas à conservação e ao uso eficiente da água.   O país pode e deve abrir-se mais à experiência internacional e agir em todas as frentes, já que não há uma solução única.

***

Para os mais interessados, recomenda-se visitar com regularidade a página da Associação de Reuso de Águ e de sua Fundação de Pesquisa em Reuso da Água.